Endometriose! Posso engravidar ?

Na busca pela maternidade muitas mulheres se deparam com esse problema que hoje atinge 15% das mulheres brasileiras entre 15 e 45 anos. 25% das mulheres com mais de 35 anos são diagnosticadas com endometriose. A maior incidência da doença é em mulheres brancas com mais de 20 anos. Cerca de 30 a 50% das mulheres que sofrem desse mal são inférteis. A porcentagem de infertilidade por endometriose varia de 6 a 58%. E sabendo de todos esses dados, fica a pergunta, posso engravidar com endometriose? É o que responderemos a seguir.

Mas o que é endometriose ?


Muitas mulheres equivocadamente imaginam que endometriose seja uma deficiência ou anomalia na camada interna do útero denominada endométrio. Na verdade a endometriose trata-se de uma doença cuja partes do endométrio expulsas durante a descamação do útero definida como menstruação se prendem em outras partes do corpo. Assim sendo quando a mulher entra em preparação para ovulação, essas pequenas partes de endométrio, mesmo fora do útero, são estimuladas pelos hormônios liberados durante esse período e quando a mulher menstrua essas aderências também sangram.

Quais exames diagnosticam a endometriose


O exame ginecológico é o primeiro a ser feito. Em seguida ultrassom endovaginal,o exame de sangue CA 125, ressonância nuclear magnética,  que deve ser feita no período menstrual. O diagnóstico de certeza, porém, depende da realização da biópsia, realizada através de videolaparoscopia.




Quais os locais mais frequentes onde a doença se desenvolve ?


Trompas podendo causar inclusive obstrução tubária.
Superfície do útero
Bexiga
Útero
Saco de Douglas ( espaço que está atrás do útero, e antes do reto(porção final do intestino)
Septo reto vaginal (região que fica entre a vagina e o reto)
Ovários



Toda mulher tem refluxo de sangue menstrual porém nem todas desenvolvem a endometriose. Suspeita-se que esse problema seja causada pela baixa imunidade onde suas células de defesa não conseguem destruir os tecidos que se instalaram em outros lugares, genética ou por um transbordamento de fluxo menstrual por vasos sanguíneos e ou linfáticos, porém nada está comprovado. Atualmente, cientistas de Oxford na Inglaterra procuram isolar um gene que seria responsável pela doença. Por enquanto tudo é especulação.
As suspeitas da doença surgem quando a mulher sente muita dor durante a menstruação , dores nas relações sexuais, dificuldade para urinar, útero sendo puxado para trás tornando-se retrovertido, dores intestinais, sangue nas fezes e ou urina durante a menstruação entre outros.
O diagnóstico da doença se faz através de exames como o CA-125 e videolaparoscopia.
A causa da infertilidade causada pela endometriose ainda não está bem esclarecida, mas parece que essas aderências endometriais produzem uma substância chamada prostalglandina, que pode alterar a mobilidade das trompas, dificultar a ovulação e alterar os hormônios responsáveis pelo ciclo menstrual.
Especula-se que exercícios físicos ajudem a evitar a endometriose, uma vez que a endorfina produzida durante os exercícios causa sensação de bem estar e diminui a produção de estrogénos (hormônios femininos).Visto que as mulheres mais atingidas pela doença são as que engravidam tardiamente, expostas a estress elevado, o que faz com que apresentem o estímulo estrongeno por um maior período da vida.


Consequências da endometriose


A endometriose pode ter consequências graves se não for tratada adequadamente. Deformações uterinas, aderência em outros orgãos e tecidos, e até mesmo infertilidade. Se a aderência for nos ovários e trompas por exemplo, pode formar nos ovários cistos de sangue , que impediram a correta liberação dos óvulos. Nas trompas, impedem a captação dos óvulos. 
Na ocorrência de gravidez, pode ainda causar aborto. O motivo ainda não é comprovado, mas há uma grande suspeita de que o líquido de mulheres portadores dessa enfermidade, seja tóxico aos embriões. Outra possível causa é a alteração do sistema imunológico da gestante.
A relatos de casos de endométriose,  em que as consequências foram gravíssimas. Causando falência renal, retirada de parte da bexiga e até intestinos. Veja um desses relatos clicando aqui.


Tratamento


O tratamento visa não só devolver a fertilidade mas também aliviar as dores causadas pelo problema.
Muitos fatores são levados em conta para definir o melhor tratamento. Entre eles a idade e o desejo ou não de engravidar.


Em casos leves, a paciente só é observada e normalmente consegue engravidar depois de algum tempo sem qualquer medicamento.


Outro tratamento é através de anticoncepcional, onde a mulher toma a pílula initerruptamente durante nove meses. Por não menstruar durante todo esse período haverá uma redução do endométrio não só dentro do útero mas em todos os locais que por ventura ele tenha se fixado. Esse tratamento surte sucesso para cerca de 25 a 50% das mulheres que desejam engravidar.


Também podem ser usados hormônios masculinos que diminuírão o hormônio feminino do organismo reduzindo o tecido do endométrio. O tratamento dura 6 meses e as chances de engravidar após o tratamento varia de 40 a 60%.


Em alguns casos pode ser utilizado progestogênios que também interferem na produção normal de hormônios femininos causando ausência de menstruação e assim diminuindo o tecido do endométrio.


Outro hormônio eficaz é o gonadrófico, que é produzido na hipófise, glândula localizada no cerébro. Age da mesma forma inibindo os hormônios naturais e impedindo a mulher de menstruar diminuindo o tecido do endométrio e os focos de endometriose. Esse medicamento pode ser administrado por via nasal na forma de spray ou injeção subcutânea.


A cirurgia é indicada no caso da endometriose mais severa e com outras complicações, tais como adesão nos órgãos femininos. O tratamento cirúrgico se mostra muito eficaz com uma incidência de 62% de gravidez em casos leves, 55% nos moderados e 50% nos casos mais graves.


A Inseminação Artificial e a Fertilização In Vitro também podem ser alternativas de sucesso para uma gravidez. As chances de mulheres com endometriose de engravidarem com esses procedimentos são as mesmas de qualquer outra mulher que não apresente o problema.

Porque a endometriose pode causar infertilidade


*Influência os hormônios no processo de ovulação e na implantação do embrião.

*Altera também o hormônio prolactina e as prostaglandinas que agem negativamente na fertilidade.

*Provoca alterações imunológicas - alterações celulares responsáveis pela imunologia do organismo.

*Interfere na receptividade endometrial. O endométrio, tecido situado no interior da cavidade uterina, local onde o embrião se fixa, sofre a ação de substâncias produzidas pela endometriose que atrapalham a implantação do embrião.

*Pode interferir no desenvolvimento embrionário e aumentar a taxa de abortamento.


*O principal mas não único motivo para infertilidade é  processo inflamatório da endometriose que causa aderências entre os órgãos reprodutivos, levando à alteração da anatomia e, consequentemente, à infertilidade. No entanto, há mulheres com quadros de endometriose inicial e que também podem apresentar dificuldades para engravidar, suspeita-se nesses casos, que a razão seja as alterações hormonais.

A causa mais frequente de infertilidade por endometriose, são os problemas causados nas trompas. Para saber se as trompas foram ou não atingidas pela endometriose, é necessário a realização de um exame chamado histerossalpingografia.





A pergunta que não quer calar. Mulheres com endometriose podem engravidar?

Quem tem endometriose pode engravidar?



Não coloque minhocas na cabeça , nem toda cólica menstrual indica endometriose , nem toda dor na hora relação quer dizer que seja a doença. Seja coerente, procure um médico, se ele julgar necessário pedirá os exames de investigação.

A endometriose é tratável e sim, se você obtiver sucesso no tratamento, você poderá realizar o sonho de ser mãe. Procure ajuda médica, faça os exames necessários e empenhe-se no tratamento.

Pé no chão e esperança no coração sempre !!!!

Tatiana Costa

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...