terça-feira, outubro 08, 2013

Os 4 hormônios envolvidos no ciclo menstrual que mais afetam a fertilidade

Os desequilíbrios hormonais são bastante comuns em mulheres e homens.  No entanto, se você está tentando engravidar,  alguns desequilíbrios hormonais podem dificultar a breve realização desse sonho. Alguns descontroles são mais frequentes e comuns, porém não menos importantes, e afetam a saúde fértil, impedindo a mulher de engravidar. Existem muitos hormônios envolvidos no ciclo, mas alguns tem maior facilidade para sofrer desequilíbrios motivados por razões externas. São eles:

1.Desequilíbrio de progesterona

Um dos desequilíbrios hormonais mais comuns que está presente em mulheres que têm problemas de fertilidade é um desequilíbrio do hormônio progesterona . A progesterona é um hormônio muito importante para a fertilidade, concepção e gravidez. Se uma mulher tem níveis de progesterona que são muito baixos, ela terá uma fase lútea curta . A fase lútea é o período de tempo entre a ovulação e o início do período menstrual. A fase lútea curta impede que os óvulos fertilizados sejam capazes de se implantar adequadamente no útero, e com isso, uma perda ovular é inevitável. O Desequilíbrio de progesterona é dos problemas hormonais mais fáceis de se tratar, no entanto, é preciso atenção para que o tratamento comece o quanto antes.


2.Desequilíbrio de estrogênio

O Estrogênio é popularmente conhecido como o hormônio feminino, e é um dos mais importantes hormônios para reprodução da mulher. A baixa de estrogênio pode impedir uma mulher de ovular, afeta o muco cervical que pode se tornar escasso ou hostil e impede o revestimento do útero de engrossar o suficiente para suportar uma gravidez. Por outro lado, o excesso de estrogênio no organismo pode levar a períodos irregulares, dificultando o reconhecimento do período mais fértil e muitas vezes a ovulação. Os médicos têm muitas maneiras diferentes de tratar os desequilíbrios de estrogênio, e também existem muitos tratamentos naturais que podem ajudar, é o caso do Dong Quai e do inhame.

3.Desequilíbrio prolactina

A prolactina é o hormônio que controla a produção de leite materno. A prolactina está presente num ciclo menstrual normal, normalmente a partir do vigésimo terceiro dia, pois é estimulada pela produção crescente de estrogênio e progesterona. Se os seus níveis de prolactina estão acima do normal, isso pode impedir a ovulação e consequentemente uma gravidez. Além de promover uma diminuição na libido da mulher. Isso ocorre porque o organismo entende que se a prolactina está alta é porque existe produção de leite, e acredita que já existe um bebê a ser alimentado, e age para preservar a mulher , impedindo que ela ovule e que uma nova gestação aconteça. No entanto, se você não acabou de ter um bebê e os níveis de prolactina está alto, geralmente podem ser equilibrados com facilidade. O tipo de tratamento é definido pelo médico.
As causas para o problema vão desde de uso de alguns medicamentos como anticoncepcionais, até problemas na hipófise e Síndrome dos ovários policísticos

4. Desequilíbrio de LH ( hormônio luteinizante)

Também conhecido como LH, é um hormônio que é liberado por sua glândula pituitária. É responsável por regular os períodos e promover a liberação do óvulo pelo ovário. Testes de LH também podem informar o seu médico muito sobre a sua reserva ovariana e quantos óvulos viáveis lhe restam. Altos níveis de LH podem indicar menopausa, ou talvez SOP. Os baixos níveis de LH geralmente significam que não está havendo ovulação. Mais uma vez o tratamento é determinado pelo médico.

Pé no chão e esperança no coração !

Compartilhar:

Um comentário: