Nidação: O que aumenta as chances de implantação do embrião


A implantação do embrião (nidação) é um momento crucial nas tentativas para engravidar. Responsável por 70% das perdas ovulares, é necessário que esse momento tenha todo o suporte necessário afim de aumentar com eficiência as chances de implantação do embrião.

Algumas vitaminas e minerais são essenciais para garantir a implantação do o embrião seja nas tentativas naturais ou mesmo nos processos de reprodução assistida como Inseminação Artificial e Fertilização in vitro.
Compartilhar:

Pesquisas do IVI melhoram taxa de gravidez nos casos de infertilidade masculina

Três pesquisas do Instituto Valenciano de Infertilidade vão melhorar a taxa de gravidez nos casos de infertilidade masculina

  • Dois exames simples podem melhorar o diagnóstico de casos de fator masculino de infertilidade

Durante o Congresso Anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE2017), que está acontecendo esta semana em Genebra, na Suíça, o Instituto Valenciano de Infertilidade (IVI) apresentou as conclusões de três estudos focados em melhorar o diagnóstico e tratamento da infertilidade masculina.

Aproximadamente 15% da população mundial enfrenta problemas para conceber um filho; no entanto, a infertilidade continua sendo um assunto que muitas pessoas preferem não falar abertamente, principalmente quando se trata de fatores masculinos.

Historicamente a dificuldade de engravidar se atribuía principalmente às mulheres, razão pela qual muitas das pesquisas e tratamentos de reprodução humana estão centrados nelas. Porém, em 4 de cada 10 casos, a infertilidade está associada ao homem –exatamente a mesma quantidade que está relacionada com os fatores femininos –, portanto, os avanços na seleção de espermatozoides são de grande importância para melhorar os resultados dos tratamentos de fertilidade.

Atualmente, a avaliação da fertilidade do casal realizada nos homens é feita através do espermograma, que é o exame que estuda a mobilidade, aspecto morfológico e nível de concentração dos espermatozoides. “Este teste não considera os aspectos genéticos (cromossômicos), nem a quantidade de material genético dos espermatozoides”, explica Dr Agnaldo Viana, especialista em reprodução humana do IVI Salvador. “Apesar do espermograma incluir variantes de normalidade, algumas alterações cromossômicas não identificadas no exame são a causa de uma qualidade mais baixa do sêmen, que consequentemente afeta os resultados de gravidez conforme a pesquisa realizada por nossa colega de trabalho na Espanha, a Dra Cristina González, coordenadora dos laboratorios de Andrologia do grupo IVI”, afirma Dr Agnaldo.

Exames complementares ao espermograma para um diagnóstico completo da fertilidade:

- Cariótipo
Para contemplar os aspectos cromossômicos, o paciente deve realizar o exame de cariótipo, que é uma “fotografia” dos cromossomos de uma célula, realizado a partir de uma amostra de sangue comum. O cariótipo pode identificar fatores de infertilidade imperceptíveis pelos exames morfológicos básicos realizados no casal.

- Fragmentação de DNA espermático
O estudo do DNA espermático utiliza uma técnica que consiste em projetar uma luz laser nas células que permite analisar diferentes características celulares. É possível realizar este exame com a mesma amostra coletada para o espermograma. Este teste identifica a eventual existência de anomalias no DNA dos espermatozoides, o que influencia na qualidade do futuro embrião gerado a partir da fecundação do óvulo, conforme indica a pesquisa do Dr Alberto Pacheco, diretor do laboratório de andrologia do IVI Madri, apresentada no evento.

Durante a formação dos espermatozoides, seu conteúdo genético é reduzido para que quando o óvulo seja fecundado, o embrião não tenha informação genética a mais. Esta fase do processo pode falhar. “Neste estudo observamos que 20% dos pacientes apresentaram alterações celulares, uma taxa muito superior aos 8% identificados no grupo de doadores de sêmen” explica Dr Alberto, que alerta sobre o impacto desta informação na hora de identificar embriões viáveis, ou seja, que podem gerar bebês com saúde, para a transferência ao útero materno nos tratamentos de Fertilização in vitro.

- Biópsia testicular em casos mais graves
O estudo coordenado pelo diretor da Fundação IVI, Dr Nicolás Garrido, identificou que a biópsia testicular pode ser uma alternativa para melhorar os resultados de gravidez nos casos de rupturas e lesões no material genético dos espermatozoides, algo também conhecido como a fragmentação do DNA.

Normalmente nos tratamentos de Fertilização in Vitro a coleta do sêmen é realizada por meio de esperma ejaculado, inclusive nos casos de baixa concentração de espermatozoides, que são os casos onde o risco de fragmentação de DNA é superior.

O estudo realizado identificou que a fragmentação do DNA foi 24% mais baixa ao obter a amostra de espermatozoides através de uma biópsia testicular. Esta melhora permite reduzir o risco de aborto e obter uma taxa superior de recém-nascidos vivos. Segundo a diretora do laboratório de embriologia da clínica IVI Salvador, Michelle Borges, esta técnica é mais invasiva, mas deveria ser considerada em determinados casos, pois permite obter os espermatozoides em uma etapa anterior às rupturas e lesões.
 
Sobre o IVI - RMANJ

Com sede em Valência, na Espanha, o Instituto Valenciano de Infertilidade (IVI) possui mais de 70 clínicas em todo o mundo, incluindo Brasil, e é referência mundial em medicina reprodutiva. O grupo conta com uma Fundação, um programa de Docência e Carreira Universitária e recentemente realizou a fusão com o grupo norte-americano RMANJ elevando ainda mais sua relevância mundial
Compartilhar:

PRESERVAÇÃO DA FERTILIDADE FEMININA: Congelar óvulos ou tecido ovariano?

  • Estudo revela resultados similares, porém as indicações são diferentes.
  • Pesquisa realizada em parceria entre o Instituto Valenciano de Infertilidade (IVI) e o Hospital La Fe de Valencia foi apresentada hoje durante o congresso mais importante de reprodução humana, que este ano acontece em Genebra, Suíça.
Compartilhar:

Endométrio Espessado | Hiperplasia endometrial o que é?

endométrio espesso
sintomas de hiperplasia endometrial 

O endométrio,  revestimento interno do útero, pode variar de espessura conforme a fase do ciclo e a idade da mulher. Outra questão referente a espessura do endométrio é o estágio reprodutivo e ponto específico do seu ciclo menstrual. Um endométrio grosso,  endométrio espessado ou endométrio espesso pode ou não ser um achado normal, dependendo de vários fatores. Para avaliar o espessamento do endométrio, podem ser utilizadas imagens de ultrassom e ressonância magnética.
Compartilhar:

Estrogênio alto | Como baixar naturalmente o estrogênio

baixar estrogênio naturalmente
As garrafas pet são ricas em bisfenol, substância que pode causar distúrbios hormonais
O estrogênio que é um hormônio feminino, tem função importante no ciclo menstrual. Encarregado de espessar o endométrio e amadurecer o óvulo é vital para a ovulação e gravidez. No entanto o excesso de estrogênio é uma condição que pode trazer diversos problemas a saúde feminina. Denominado predominância estrogênica, o excesso de estrogênio pode atrapalhar inclusive a implantação do embrião caso existam tentativas de gravidez. Estrogênio alto pode ser uma causa de infertilidade. 
Compartilhar:

Como é o período fértil de quem usa anticoncepcional

período fértil com anticoncepcional

Quem faz uso de anticoncepcional seja ele em pílula, injetável, adesivo, implante ou anel vaginal, não tem período fértil. Se a forma de uso dos anticoncepcionais for correta, as chances de engravidar são de apenas 0,1%. Uma gravidez só é possível se os ovários conseguirem produzir folículos, amadurecer pelo menos um deles e liberar no que conhecemos por ovulação. Os anticoncepcionais foram desenvolvidos justamente para impedir todo esse processo.
Compartilhar:

Como saber se estou grávida

sintomas de gravidez

Quer se trate de seios doloridos, um estômago sensível ou qualquer outra coisa, o primeiro sinal de gravidez é diferente para cada mulher.  Se você suspeita que está grávida , a maneira mais definitiva de descobrir, é claro, é fazer um teste de gravidez. Mas existem sinais e sintomas que também podem ajudar a identificar a gravidez. Aqui estão alguns deles sintomas de gravidez.
Compartilhar:

Teste de gravidez caseiro| Segunda linha clara é positivo?

linha clara teste de gravidez
Segunda linha clara no teste de gravidez caseiro é positivo

A menstruação atrasada é um dos primeiros sintomas de uma gravidez. Você pode fazer um teste de gravidez caseiro o mais rápido possível. Se você tiver sintomas de gravidez muito precoces, como o sangramento de implantação , você pode até fazer um teste de gravidez caseiro de alta sensibilidade. Se obter um teste com segunda linha clara, pode indicar um positivo.
Compartilhar:

Muco Cervical | Os diferentes tipos de muco e seus significados

os diferentes tipos de muco cervical
As mudanças do muco cervical podem sinalizar a fase do ciclo menstrual

O muco cervical é um fluido produzido pelo colo do útero. O colo do útero produz muco cervical como resposta ao aumento do nível de estrogênio e no pós ovulação em resposta ao aumento da progesterona. Assim sendo pode-se observar diferentes tipos de muco cervical.

Através da analise do muco cervical é possível identificar a fase do ciclo menstrual.
Compartilhar:

Engravidar menstruada | É possível engravidar na menstruação?

engravidar durante a menstruação é possível
engravidar menstruada é algo possível 

Uma questão comum e que traz dúvida a muitas mulheres é sobre as relações mantidas durante ou logo após o fim da menstruação. Afinal, é possível engravidar durante a menstruação? Da mesma forma, muitas pessoas perguntam se é  possível engravidar antes da menstruação chegar. A verdade é que nem sempre é fácil compreender o ciclo menstrual e como ele funciona. Hoje traremos alguns esclarecimentos importantes. É possível engravidar menstruada?

As probabilidades de engravidar menstruada variam. Tudo depende da duração do ciclo menstrual e quantos dias a mulher passa menstruada.

Posso engravidar menstruada?


A resposta para essa pergunta é mais complexa do que apenas sim ou não. Para a maioria das mulheres engravidar menstruada não é algo muito comum. Isso porque de acordo com pesquisas e estatísticas, grande parte das mulheres apresentam ciclo menstrual entre 28 e 32 dias. Para mulheres com ciclos ditos normais, engravidar durante a menstruação não é algo comum.

No entanto afirmar que engravidar menstruada é algo que não acontece, é um grande erro. Para mulheres com ciclos mais curtos, a possibilidade de engravidar durante a menstruação é de fato grande.

A maioria dos casais não se sentem a vontade para manter relações durante a menstruação. Para outros é algo normal prazeroso. 

Durante o período fértil, é normal a mulher ter mais líbido. É igualmente normal que os homens sintam mais desejo por sua parceira durante o período fértil. Então mesmo que esses dias de maior fertilidade aconteçam durante a menstruação, é possível e natural que os casais se aproximem de uma forma bastante natural.

Como é possível engravidar durante a menstruação 

Pode ser difícil a princípio entender como possa ser possível engravidar durante a menstruação. Isso por que  para que uma gravidez aconteça é necessário que o embrião se fixe justamente na camada do útero que está sendo eliminada durante a menstruação. Porém a explicação é bastante lógica.

O espermatozoide sobrevive dentro do corpo da mulher por até 5 dias. A maioria morre logo após o primeiro contato com o trato vaginal. Os que sobrevivem ainda podem encontrar outros obstáculos e muitos vão ficando pelo caminho. Ao atingirem as trompas, a grande probabilidade é que sobrevivam entre 2 a 3 dias a espera do óvulo para fecundação. Um pequeno número tem vitalidade para aguentar longos 5 dias de espera.

Dito isso, fica mais fácil entender por que uma relação mantida durante a menstruação pode gerar uma gravidez. 

Ciclos curtos trazem mais chances de engravidar durante a menstruação

Ciclos menstruais curtos, entre 21 e 24 dias por exemplo, têm o período fértil muito próximo ao último dia de menstruação.

Levando em conta que a maioria das fases lúteas ( dias após a ovulação) têm duração de 14 dias, em um ciclo menstrual de 24 dias a liberação do óvulo acontece por volta do décimo dia do ciclo. Isso quer dizer que um óvulo é liberado pelo ovário, apenas 10 dias após o primeiro dia de sangramento menstrual. A menstruação por sua vez pode durar entre 3 e 9 dias de uma forma normal. A maioria das mulheres apresentam fluxo por até 7 dias. 

Sendo assim uma relação mantida no quinto, sexto ou mesmo sétimo do ciclo menstrual, pode resultar em gravidez.
Isso significa que mesmo sangrando ou apresentando sangramento borra de café no fim da menstruação, caso aconteça uma relação, é possível engravidar.

Por outro lado mulheres com ciclos maiores de 24 dias tem uma chance muito menor de conseguir engravidar de uma relação mantida durante a menstruação. 

Estando o dia da ovulação mais distante dos dias de sangramento menstrual, as chances de ter um espermatozoide a espera do óvulo são bem menores. Afinal como já dito, um espermatozoide pode excepcionalmente viver por no máximo cinco dias dentro do corpo da mulher.

É possível engravidar logo após o fim da menstruação?


Sim , é perfeitamente possível desde que a liberação do óvulo aconteça até 5 dias após a relação mantida logo ao fim da menstruação.

Se você parar de sangrar no dia 6, fazer sexo no dia 7 e ovular no dia 11. É possível que os espermatozoides do dia 6 esperem nas suas trompas de Falópio para a concepção. Claro, suas chances de conceber logo após a menstruação aumentam com cada dia após o sangramento ter parado. 

Caso você tenha dificuldade para contabilizar o seu período fértil, mantenha relações em dais alternados tão logo sua menstruação cesse. Dessa forma você fatalmente manterá relações próximas a liberação do óvulo.


Posso engravidar antes da menstruação?


É nesse ponto que algumas se confundem pra valer. 
O ciclo menstrual não se chama ciclo a toa. Ovulação e menstruação estão diretamente relacionadas e uma depende da outra para acontecer. 

A menstruação é consequência da ovulação. Quando um óvulo é liberado e não é fecundado, logo  a gravidez não acontece. A menstruação  por sua vez dá as caras para que um novo ciclo se inicie e uma nova ovulação seja possível.
Dito isso, é preciso entender quando exatamente acontece a gravidez. 

A gravidez acontece após a menstruação. Sendo a menstruação o primeiro dia do ciclo menstrual, entendemos que uma gravidez só é possível após um novo ciclo se iniciar.
É seguro afirmar que a gravidez acontece após a menstruação e não antes dela.

Simplificando a questão, engravidar menstruada é possível para algumas mulheres. Engravidar durante a menstruação é possível quando o ciclo menstrual e curto e relação é mantida próximo do dia da ovulação. 

Pé no chão e esperança no coração!
Tatiana da Costa 


Compartilhar: