quarta-feira, abril 27, 2016

Ovulação e gravidez: O que é e como identificar a ovulação para engravidar

a importância da ovulação para engravidar



A ovulação é uma das partes mais importantes quando a intenção é engravidar. Se você não ovula, não é possível engravidar. Aprender mais sobre a ovulação irá  te ajudar a determinar as melhores maneiras e os melhor dias para engravidar. 

O que é ovulação?


A ovulação é o processo de desenvolver e liberar um óvulo maduro. Os ovos são desenvolvidos nos ovários ao longo do ciclo. Após ser liberado será  captado pela trompa onde será fecundado e seguirá para o útero. Após liberado pelo ovário, o óvulo viverá de 12 a 24 horas a espera de um espermatozoide, excedido esse prazo o óvulo morre e as chances de gravidez  já não existem mais para esse ciclo.

Identificando a ovulação


Uma das melhores maneiras de melhorar suas chances de engravidar é monitorar o seu ciclo de ovulação. Isso é algo que você pode fazer usando um termômetro basal ou testes de ovulação. A temperatura basal é medida todos os dias pela manhã logo após o despertar. Os testes de ovulação devem ser feitos com intervalos de 10 horas para que os resultados sejam mais eficientes.

Controlando a temperatura basal será possível saber que a ovulação já ocorreu. Está técnica contudo não é eficiente para prever a ovulação, mas pode te ajudar a calcular o provável dia da menstruação. A menstruação ocorre de 12 a 16 dias após a ovulação, conhecendo o dia da ovulação é mais fácil identificar o real atraso menstrual.

Os testes de previsão de ovulação funcionam de forma semelhante a um teste de gravidez. Todas as manhãs, você deve fazer seu primeiro  teste de urina para o hormônio LH., os demais testes devem acontecer em intervalos de 10 horas .Quando o teste apresentar duas linhas da mesma cor, indicará um positivo. Isto quer dizer que o LH atingiu seu pico e que a ovulação está prestes a acontecer . Importante não aguardar pelo positivo para começar os treinos. Tenha relações em dias intercalados tão logo a segunda linha comece a aparecer, assim suas chances serão maiores.

Se a basal não se eleva e os testes de ovulação não positivam, é possível que a ovulação não esteja acontecendo com regularidade, neste caso há várias coisas que você pode fazer. 
A primeira providência a ser tomada quando existe a suspeita de falta de ovulação, é conversar com seu médico a respeito. Ele deverá solicitar alguns exames hormonais afim de identificar o hormônio rebelde que está causando a bagunça do seu ciclo menstrual e impedindo a ovulação.

Resolvendo  problemas de ovulação


Em alguns casos é possível resolver a falta de ovulação apenas com suplementação vitamínica. A falta de ferro, vitaminas do complexo B e vitamina D por exemplo, são normalmente causa para a falta de ovulação de algumas mulheres.  O sucesso do tratamento pode não ser tão rápido quanto o tratamento com indutores de ovulação por exemplo, mas com certeza é menos agressivo e não apresenta riscos a saúde fértil.
Finalmente, melhorar sua saúde de um modo  geral, equilibrar o peso e os níveis de estresse também são pontos importantes a serem trabalhados para que a ovulação acontece com regularidade e mais facilmente. Estes são todos itens que afetam a saúde do seu sistema reprodutivo. Melhorá-los faz com que seja mais fácil para o seu organismo equilibrar a ação hormonal, o que por sua vez facilitará  a ovulação regular. 
E para finalizar não se esqueça da recomendação de sempre, evite cafeína, álcool e fumo.

Pé no chão e esperança no coração !
Tatiana da Costa 

Compartilhar:

quarta-feira, abril 20, 2016

Fertilização in vitro após os 50 - Esclareça suas principais dúvidas


Realizar uma fertilização in vitro após os 50 está se tornando mais e mais popular, tanto entre os casais sem filhos quanto para casais que estão tentando sua segunda ou terceira gravidez.

Os dados estatísticos mostram que a idade média em que as mulheres ainda podem engravidar e dar à luz bebês saudáveis ​​está aumentando continuamente. O avanço científico em tecnologias médicas assistidas tornou possível para senhoras na casa dos cinquenta engravidar. Veja a seguir algumas das dúvidas mais frequentes de mulheres mais maduras que buscam a gravidez através da fertilização in vitro.

Optar por óvulos doados ou embriões doados


Quando os anos férteis da mulher chegam ao fim e a menopausa se instala, só é possível engravidar através da ajuda das técnicas de reprodução assistida. A maioria das gravidezes após os 50 anos tornam-se possíveis somente com a ajuda da fertilização in vitro e a utilização de óvulos doados . O processo de fertilização in vitro implica em investigações médicas exaustivas sobre a doadora de óvulos ou no caso de embriões doados, da doadora e do doador.  Se  o casal que tenta conceber não possui óvulos e espermatozoides adequados para um encontro satisfatório, a fertilização in vitro pode ser feita com embriões de dadores, o que significa que o embrião vem a partir de doadores anônimos. A escolha fica por conta da necessidade do casal. Se apenas a mulher não mais apresentar óvulos, é possível realizar a fertilização com óvulos doados, no caso do parceiro não produzir mais espermatozoides saudáveis, a necessidade então é da doação de um embrião.

Como funciona a fertilização in vitro após os 50 anos 


Na fertilização in vitro com óvulos doados, tanto a mãe quanto a doadora são obrigados a passar por tratamentos de fertilidade para sincronizar seus ciclos ovulatórios - a doadora precisa apresentar óvulos para captação exatamente quando o forro no útero da receptora fornece o ambiente mais acolhedor para o óvulo fertilizado da doadora. Após a captação o óvulo é encaminhando para a fecundação in vitro. Depois de alguns dias, o embrião resultante é transferido para o útero da receptora, onde crescerá para se tornar um bebê. É também possível utilizar óvulos ou embriões congelados.

Riscos da fertilização in vitro após os 50


As mulheres que se submetem a fertilização in vitro em qualquer idade são expostos a uma certa quantidade de riscos de desenvolver complicações durante a gravidez. No entanto, vários estudos científicos provam que as mulheres com mais de 50 não apresentam níveis mais elevados de risco do que nos casos de gravidez após os 40. Estes riscos geralmente envolvem o desenvolvimento de diabetes e hipertensão, pré-eclampsia , abortos e nascimento prematuro, mas, com pré-natal adequada, a maior parte destas gravidezes podem chegar a termo.

Uma nova resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) libera mulheres brasileiras com mais de 50 anos para fazer tratamentos de reprodução assistida, desde que essas mulheres e seus médicos assumam os possíveis riscos.

Muitas mulheres adiam a maternidade ou enfrentam dificuldades férteis durantes os anos considerados de maior fertilidade. Para essas mulheres a melhor e mais acertada opção é a fertilização in vitro.

Pé no chão e esperança no coração 
Tatiana da Costa
Compartilhar:

terça-feira, abril 19, 2016

Tratamento com Heparina para evitar aborto e natimorto

heparina evita a coagulaçao do sangue e diminui as chances de aborto

Uma gravidez que termina em aborto é um evento traumático, tanto físico quanto emocional. A formação de coágulos de sangue é uma das causas mais comuns deste infeliz acontecimento na vida de uma mulher. É mais comum e frequente em mulheres com trombofilia e nesses casos o tratamento vai desde as chances de engravidar até o pós parto.

Varfarina e heparina


Varfarina e heparina são duas das drogas mais conhecidas que impedem a formação de coágulos no sangue. Enquanto o primeiro mencionado não é prescrito para mulheres grávidas devido aos efeitos prejudiciais que pode ter sobre o desenvolvimento do embrião e no feto, o segundo é amplamente usado. Aqui estão seis fatos todos devem saber antes de voltar a terapia com heparina para evitar aborto.

Heparina é especialmente eficiente com aspirina


Para uma maior eficiência, este fármaco é frequentemente administrado em combinação com aspirina. É reconhecido por sua propriedade em afinar o sangue e prevenir a sua coagulação. A combinação desses medicamentos só deve ser feita se indicada e orientada por um médico, especialmente porque você precisa atestar a necessidade de heparina  e de receita médica para a obtê-la.

Exames médicos necessários antes de usar heparina


Você deve passar por vários exames médicos antes de tomar heparina a fim de determinar com precisão se você realmente precisa seguir este tratamento durante a gravidez. A existência de um natimorto, uma sequência de vários abortos ou a presença de pré-eclâmpsia são outros critérios utilizados pelo médico para esclarecer esta questão.

Seguindo as orientações médicas ao usar heparina


Você tem que seguir as indicações do médico a risca e tomar o remédio de acordo com a conduta adotada pelo especialista. Utilizar regularmente o medicamento é uma parte importante da terapia com heparina para evitar aborto. Pular ou esquecer uma ou mais doses pode ter sérias consequências para a sua saúde e a do seu bebê.


Descanso sempre que possível e evitar exercícios físicos pesados


Se você segue este tipo de tratamento, o mais indicado é fazer repouso sempre que possível e evitar atividades em que você possa se ferir ou se cortar. Isso porque qualquer ferida aberta pode sangrar maciçamente, devido à coagulação do sangue mais lento do que o habitual. Não é raro encontrar mulheres assustadas com a quantidade de sangue perdida ao ralar um joelho ou espremer uma espinha.

Informações importantes no momento do parto


Quando você vai para o hospital para o parto, você deve informar todos os membros da equipe médica que que faz uso anticoagulantes . Mais do que isso, você deve informar quando foi tomada a  última dose de heparina. Essa informação é importante para determinar o momento seguro para a administração da anestesia e acompanhar de perto a quantidade de sangue perdida durante o parto.

Terapia com heparina após o parto


Normalmente, a terapia com heparina também continua depois que o bebê nasce , é uma medida de segurança eficiente para evitar fatalidades pós parto.Tomar este medicamento durante a amamentação é completamente seguro para o recém-nascido, uma vez que as substâncias que o compõem não passam no leite.

Lembre-se que tanto a heparina quanto a aspirina infantil devem ser usadas somente sob a supervisão e orientação de um médico. A indicação para o uso desses medicamentos acontece em casos específicos cuja a coagulação sanguínea seja um problema para a gravidez e saúde da mulher e do bebê.

Pé no chão e esperança no coração !
Tatiana da Costa 
Compartilhar:

segunda-feira, abril 18, 2016

Principais vitaminas que ajudam a ovular naturalmente


Um dos principais benefícios em utilizar vitaminas para ovular  é o fato de evitar o uso de medicamentos que normalmente apresentam efeitos colaterais desagradáveis e podem ser perigosos em alguns casos. As vitaminas no entanto, funcionam aumentando e melhorando a função natural do corpo o que facilita e aumenta as chances de engravidar naturalmente.
Além das funções já conhecidas das vitaminas, o que você pode não saber é que tomar as vitaminas corretas ajuda a melhorar a regularidade do seu ciclo e favorece a ovulação. 

Dificuldades de ovulação são cada vez mais frequentes e embora não seja o único ponto vital para a ocorrência de gravidez, sem ovulação é impossível engravidar uma vez que o gameta feminino não é libertado para o encontro com o espermatozoide e posterior fecundação.

Ácido fólico


O ácido fólico é de longe a vitamina mais importante para a mulher que quer engravidar. Sua ação é benéfica  não apenas para a formação correta do feto como também ajuda a aumentar a qualidade dos óvulos e a corrigir distúrbios relacionados a ovulação. O recomendado é que mulheres que desejam engravidar tomem 5mg diárias de ácido fólico desde as tentativas de gravidez até a 12ª semana de gestação.


Vitamina D para aumentar a ovulação


A deficiência de vitamina D vem crescendo entre os brasileiros  e isso é no minimo curioso já que a principal fonte dessa vitamina é o sol e temos sol durante a maior parte do ano. O sol é um dos principais motivos para o aumento de positivos durante os meses mais quentes do ano justamente por corrigir os níveis de vitamina D que por ventura estivessem fora do ideal.  Os baixos níveis de vitamina D estão diretamente relacionados a interrupção da ovulação e o descontrole dos ciclos menstruais de grande parte das mulheres em idade fértil. 

É importante principalmente nos meses mais frios repor vitamina D através de suplementos. A dose diária recomendada é de 1000 UI para os homens e mulheres que desejam conceber.

Ferro para regular os hormônios femininos


O ferro também é uma das vitaminas importantes para a ovulação.  Quando uma mulher está anêmica ou tem uma deficiência de ferro, seu ciclo de ovulação é geralmente interrompido. Para muitas mulheres, tomar suplementos de ferro pode ajudar a regular os hormônios que causam problemas com a ovulação. Basta lembrar de tomar estes suplementos com fibras e água, porque eles podem causar prisão de ventre.

Vitamina B6 para diminuir naturalmente a prolactina


Esta é outra vitamina que ajuda a regular a hormônios femininos e que aumenta a ovulação das mulheres. Ela  ajuda a reduzir a quantidade de prolactina do corpo, que pode também ser prejudicial para a ovulação e atua aumentando a fase lútea.

Vitamina C para fortalecer o vasos sanguíneos e o endométrio


A vitamina C é algo que ajuda a melhorar a capacidade do corpo de absorver o ferro, o que é importante para o ciclo de ovulação. Ele também pode ajudar a tornar os vasos sanguíneos mais fortes, ajudar a combater infecções e criar mais muco cervical. Esses  são todos fatos que podem interromper a ovulação caso existe algum descontrole em sua atividade.

Certifique-se de estar ingerindo as vitaminas corretas e quantidade adequada de cada uma delas para que seu corpo trabalhe a favor dos ciclos ovulatórios normais. Uma alimentação saudável, rica em fibras, proteínas e com carboidratos complexos é também muito importante para manter a regularidade dos ciclos menstruais e favorecer a ovulação.

Pé no chão e esperança no coração !
Tatiana da Costa 
Compartilhar:

quinta-feira, abril 07, 2016

Clomid : Como engravidar rápido fazendo tratamento com clomid

a maneira correta de tomar clomid e engravidar mais rápido

Clomid é um medicamento eficaz para fertilidade que tem ajudado muitas mulheres engravidarem ao longo dos anos. É uma medicação desenvolvida para induzir e promover ovulação em mulheres que não ovulam naturalmente.

Embora seja realmente eficaz no tratamento de muitas mulheres, ainda existem algumas coisas que você pode fazer para aumentar a as chances de sucesso que o medicamento traz  e engravidar mais rápido .

Perder peso pode ajudar a engravidar com clomid 



Antes mesmo de começar a tomar Clomid, é importante que você converse com seu médico sobre sua saúde de um modo geral e o que pode por venturar ser melhorado para potencializar e ajudar na ação do Clomid.

Se você por exemplo tem ovários policísticos, o ideal é realizar um tratamento que promova a limpeza dos ovários antes de iniciar o tratamento com clomid. Clomid pode aumentar os microcistos e agravar sua condição. Perder peso também é algo a ser considerado, principalmente se sua dificuldade fértil for por desordem hormonal ou ovários policísticos. O excesso de peso pode dificultar a boa resposta ao tratamento e talvez você não desenvolva folículos dominantes capazes de liberarem óvulos saudáveis e promissores.

Como tomar clomid para engravidar mais rápido

Quando estiver pronta para começar a tomar Clomid, certifique-se que  está seguindo atentamente as instruções e jamais faça uso de clomid sem a orientação de um médico.Alguns médicos sugerem o uso do clomid em dias diferentes da maioria dos profissionais, isso porque ele leva em conta os resultados dos seus exames hormonais e suas informações clínicas. Tanto a dosagem, o dia do ciclo de inicio do tratamento, quanto a duração do tratamento, são criteriosamente estudadas pelo médico de acordo com a necessidade de cada paciente. No entanto a maioria dos  médicos prescreve Clomid do 3º ao 7º dia do ciclo.Lembre-se de tomar o comprimido de clomid sempre no mesmo horário, isso ajudará a garantir que o medicamento tenha uma ação eficaz e mais rápida. Caso você se esqueça de tomar uma dose de clomid, tome tão logo se lembre. No caso de perder um dia de tratamento, o ideal é perguntar ao médico qual a melhor conduta a ser seguida. Converse com seu médico sobre isso antes mesmo de iniciar o tratamento. Alguns médicos sugerem uma dose dobrada, outros aumentam por dois dias meia dose além da dose habitual de clomid. As chances de engravidar com clomid são maiores a partir do segundo ciclo de tratamento. Podem ser feitos até 6 ciclos consecutivos com clomid, mas a melhor forma de engravidar com clomid é parar por pelo menos um ciclo após os três primeiros ciclos de tratamento.

Dia certo para ter relações usando clomid


Depois de ter começado a tomar  Clomid,  certamente você quer saber quais os melhores dias para manter relações e aumentar as  chances de engravidar com clomid. O mais indicado é que ultrassons seriados sejam realizados juntamente ao uso de clomid para verificar a eficácia do tratamento,  acompanhar o desenvolvimento dos folículos e o melhor momento para manter relações. Algumas mulheres não respondem bem ao tratamento e um ajuste na dose do medicamento pode ser necessária, mas isso só é possível saber se o ciclo estiver sendo acompanhado da forma devida. Porém nem todos os médicos pedem esse acompanhamento e algumas informações sobre a ação do clomid são valiosas nesse momento. 

É possível que o muco cervical do período fértil não apareça, clomid tente a diminuir a produção de muco cervical clara de ovo. É possível também que os ovários fiquem doloridos por mais tempo que o habitual e esse fato traga certa confusão quanto ao dia mais acertado da ovulação, caso você se guie pelos sintomas mais comuns e típicos da ovulação. Dito isso, vamos as informações mais importantes.

A primeira informação importante é sobre o provável dia da ovulação quando se faz uso do clomid. A ovulação para mulheres que utilizam clomid pode acontecer de 4 a 12 dias após a ingestão do último comprimido de clomid, no entanto para a grande maioria das mulheres, a ovulação ocorre por volta do 8º dia após o último comprimido do indutor clomid. 


A segunda informação importante é sobre o melhor dia para manter relações. Assim como nos ciclos naturais, sem indutor de ovulação, os dias mais férteis são os dias ao redor da ovulação. Caso você não esteja fazendo o acompanhamento do ciclo com ultrassom seriado, o mais seguro é ter relações tão logo o último comprimido de clomid seja ingerido.

As relações devem acontecer em dias alternados e é importante que seu parceiro tome alguns cuidados para aumentar as suas chances de engravidar. 

Certifique-se de que ele se mantenha afastado de vícios que prejudiquem a saúde do espermatozoide como fumo, bebida, cafeína em excesso. Instrua-o a  manter a região escrotal ventilada sempre que possível, limitando a quantidade de calor nos testículos. O ideal é que ele utilize roupas mais soltas e evite saunas  e banheiras de hidromassagem. Uma suplementação vitamínica também é bem vinda. Um reforço na vitamina E e no zinco será útil na produção de esperma saudável.

Clomid é extremamente eficaz e pode ajudar as mulheres a engravidar rapidamente, mas lembre-se que clomid é um medicamento e como tal se utilizado de forma displicente, pode trazer danos a saúde. Só faça uso de clomid com o devido acompanhamento médico.

Pé no chão e esperança no coração !
Tatiana da Costa 

Compartilhar:

sexta-feira, abril 01, 2016

FIV : Passo a passo completo da Fertilização in Vitro



Se você encontrou dificuldade de concepção e está em busca de técnicas de reprodução assistida para realizar seu desejo de engravidar, talvez a FIV ( Fertilização in vitro) seja a técnica ideal para o seu caso. Muitas mulheres alcançam a gravidez através dessa técnica que hoje, é bem mais acessível e viável. A Taxa de sucesso da FIV é algo em torno de 60%, mas pode variar de acordo com as particularidades de cada caso em específico e da idade materna.

Fazer uma FIV no Brasil pode variar entre 14 a 30 mil reais, dependendo da clínica escolhida. Esse valor pode ser parcelado na maioria dos locais e algumas clínicas trabalham com o sistema de compensação para quem faz doação de óvulos, ou seja, a paciente doa alguns óvulos e seu tratamento é total ou parcialmente custeado pela receptora.  


Decisão tomada, clínica escolhida, é hora de conhecer um pouco sobre o processo e se preparar para a Fertilização in vitro. Saber o que esperar sem dúvida diminui o estresse e traz segurança, então acompanhe o passo a passo da FIV e conheça os 4 passos principais da Fertilização in vitro. 

FIV Passo a Passo


Passo 1: Indução da ovulação


Através de medicamentos injetáveis a indução de ovulação será realizada.  Antes mesmo de começar o processo de indução através de medicação injetável , o seu especialista em fertilidade monitorará os seus ovários e o momento da libertação do óvulo. 
A maioria das mulheres produzem dois óvulos ou mais com  a indução realizada pelos medicamentos. O médico deve observar com cuidado todo esse processo já que algumas mulheres são más respondedoras, ou seja, não conseguem produzir óvulos mesmo com a utilização de indutores de ovulação. Algumas vezes é necessário que o processo seja repetido no ciclo seguinte, então esteja preparada sobre tudo emocionalmente para alguns contratempos.

Caso sua reserva ovariana esteja muito baixa, ou mesmo esgotada, a possibilidade para o seu caso é uma FIV através da ovo doação. 

Passo 2: Capturando os óvulos


O médico identifica o melhor momento através da analise dos diversos ultrassons que serão realizados, identificado o melhor momento é hora de capturar os óvulos. A captura dos óvulos é realizada pelo seu especialista e é um processo bem simples. É aplicada medicação para reduzir a dor e  o desconforto do momento.  Uma agulha muito fina é introduzida através da parede superior da vagina até os ovários, o fluído então é removido de dentro dos folículos com sucção suave de cuidadosa.  Tudo é observado através do ultrassom transvaginal.
Imediatamente após a aspiração do folículo, o óvulo é abrigado no fluido folicular, colocado em uma placa de cultura e logo transferido para uma incubadora. 

Passo 3: A fertilização



O próximo passo do processo da FIV é a fertilização do óvulo. Uma amostra de esperma do seu parceiro ou de um doador , que já deve se encontrar armazenada e protegida, é analisada e o esperma mais ativo é colocado com o óvulo numa câmara especial. Em seguida, o óvulo e o esperma são colocados numa incubadora e monitorados para garantir que se desenvolva um embrião saudável. Se o esperma não for satisfatoriamente  ativo ele pode ser injetado diretamente  dentro do óvulo por injeção intracitoplasmática (ICSI). ICIS é uma técnica de reprodução assistida que pode se necessário, ser incluída na FIV.


Passo 4: a qualidade do embrião


Existem vários critérios para avaliar a qualidade do embrião. Isto é especialmente importante quando se tenta decidir quais  serão os selecionados para transferência de embriões. No início da manhã do dia da sua transferência, os embriões são avaliados e fotografado pelo embriologista. O embriologista juntamente com o seu médico irão decidir com base na taxa de desenvolvimento e aparência dos embriões, quais e quantos embriões são recomendados para a transferência. Mais de um embrião pode ser transferido e nesse caso mais de um bebê pode ser gerado.
Normalmente embriões são transferidos na fase de clivagem (3 dias após sua aspiração) ou na fase de blastocisto (5 dias após sua aspiração).No laboratório um sistema de classificação é utilizada para avaliar a qualidade dos embriões.


Transferência do embrião em fase de clivagem


Embriões em estágio de clivagem tem de 4 a 8 células.  A analise é cuidadosa e observa não só o número de células mas também sua assimetria e fragmentação. A fragmentação ocorre quando as células se dividem de forma irregular, resultando em estruturas semelhantes a células que povoam o embrião. Embriões fragmentados são na maioria das vezes dispensados. 

A classificação dos embriões  varia de grau 1 a grau 4 sendo o embrião grau 4 de ótima qualidade e o embrião grau 1 de má qualidade

Transferência do embrião em fase de blastócito


Nesta fase os embriões já estão bem desenvolvidos. A expansão do embrião é o ponto de analise mais importante nessa fase. Quanto mais expandido  melhor será a qualidade do embrião. Estes embriões também são classificados por uma escala numérica, de 1 a 6 sendo o grau 6 o embrião de melhor qualidade

Grau 6 : Um blastocisto bem expandida Grau 1 : Um blastocisto mal expandida

Passo 4: A transferência de embriões e Implantação


O passo final do processo de FIV é a transferência de embriões. Em primeiro lugar, os embriões são examinados novamente  para selecionar as mais saudáveis ​​para a transferência. A transferência é indolor e não querer analgesia. Um espéculo é colocado na vagina e um ou mais embriões são  gentilmente injetados através de um pequeno tubo de plástico inserido através do colo para a cavidade uterina. Estudos comprovam que a implantação tem mais chance de sucesso quando o processo de transferência é realizado sob supervisão através de um ultrassom.

Um repouso de 24 horas é necessário após a transferência dos embriões. Nos dias a seguir, a rotina deve ser retomada evitando grandes esforços e excesso de peso. 
Procedimentos Adicionais da Fertilização in vitro(FIV)

Laser Assisted Hatching


Para se implantar o embrião deve se libertar da membrana que o encobre a chamada zona pelúcida. Algumas vezes essa membrana é pouco fluídica e muito espessa.  Laser Assisted Hatching é uma técnica que permite realizar uma pequena abertura na zona pelúcida para facilitar a saída do embrião e melhorar as chances de implantação . Estudos têm demonstrado que a técnica melhora as taxas de sucesso de fertilização in vitro seja na transferência de embriões recentes ou congelados.

Crio preservação - Congelamento de embriões 


A crio preservação de embriões (congelamento) é recomendada para os pacientes que têm um número excessivo de embriões normalmente fertilizados ou blastocistos de alta qualidade que poderão ser utilizados em futuras transferências. Os embriões podem ser congelados na fase zigoto um dia depois de sua captura ou após 5 ou 6 dias  na fase de blastocisto. Em determinadas circunstâncias, também podem congelar embriões na fase de clivagem. Os embriões podem ficar congelados durante anos e serem transferidos para a paciente quando o desejo de uma nova tentativa ou de uma nova gestação seja considerada. 

A biópsia do embrião


Biópsia do Embrião - Diagnóstico Genético Pré-implantacional (PGD)


Diagnóstico Genético Pré-implantacional (PGD) é um processo realizado em conjunto com a fertilização in vitro (FIV). Ele é realizado para ajudar a detectar anomalias genéticas, doenças genéticas hereditárias em embriões antes da implantação, evitando assim a transferência de embriões afetados. É uma ferramenta valiosa e mais utilizada em mulheres que sofreram abortos recorrentes, com idade igual ou superior a 38 anos,   falhas de fertilização in vitro repetidas mesmo com embriões de alta qualidade, infertilidade inexplicada entre outros.

Pesquise antes de escolher a clínica que realizará o procedimento. Muitos fatores influem no sucesso da primeira tentativa, por isso se informe sobre as taxas de sucesso do local e reputação do especialista.

Assista agora a um vídeo incrível que mostra o passo a passo da fertilização in vitro como você nunca viu antes.
Veja também: Como funciona a doação de óvulos
Veja também: Dicas eficientes para  aumentar as chances de sucesso da FIV


video

Pé no chão e esperança no coração!
Tatiana da Costa 
Compartilhar:

quinta-feira, março 31, 2016

Dicas eficientes para aumentar as chances de sucesso da FIV

aumente as chances de sucesso da fiv com dicas simples e eficientes


O que fazer para aumentar as chances de sucesso da FIV

Repouso após a transferência do embrião



Alguns cuidados podem ser tomados após a transferência do embrião. Embora a maioria dos médicos garantam que apenas 1 dia de repouso é o suficiente, outros pesam na mão e recomendam 12 dias de afastamento das atividades normais. No entanto muitos médicos garantem que essa precaução é desnecessária já que estudos apontaram com segurança que o repouso prolongado não traz qualquer benefício a gestação inicial e não ajuda a aumentar as chances de sucesso da FIV.


Alho e abacaxi para ajudar na implantação do embrião

Se por um lado o repouso não é a chave do sucesso, dar atenção ao que se ingere pode aumentar as chances de sucesso da FIV( Fertilização in Vitro)
O abacaxi e o alho são anticoagulantes naturais e ajudam na vascularização do útero, ajudando assim no espessamento adequado do endométrio.

Consumir uma fatia de abacaxi em jejum com miolo durante 5 dias, contribui para o espessamento adequado do endométrio. O ideal é comer o abacaxi  a partir do dia da captura dos óvulos até o dia da transferência.

Caso a transferência seja feita num ciclo posterior ao da captura dos óvulos, utilize o truque do abacaxi de modo que o último dia de ingestão seja até 5 dias após a transferência do embrião.
As cápsulas de alho podem ser consumidas 1 vez por dia, de preferência a noite, durante todo o ciclo. ( consulte seu médico a respeito).


Gelatina fortalece o endométrio


A Gelatina é rica em colágeno e é capaz de fortalecer o endométrio no pós transferência de embriões. As gelatinas com sabor podem ser consumidas porém a maior concentração está na gelatina sem sabor ou ainda na gelatina hidrolisada que pode ser misturada a qualquer bebida a base de água ou leite. Consumir gelatina durante todo o ciclo ajuda a aumentar as chances de sucesso da FIV.


Consumir clara de ovo contribui para o sucesso da implantação


Aumentar a ingestão de ovos, principalmente da clara do ovo é também uma atitude favorável a implantação e pode aumentar as chances de sucesso da FIV. A clara do ovo é rica em proteínas que são especialmente importantes nessa fase do ciclo.
Uma das coisas mais importantes para aumentar as chances de sucesso da fertilização in vitro é aumentar o consumo de proteínas.


Physalis para o corpo não rejeitar o embrião


A fruta physalis é utilizada a algumas décadas por transplantados afim de evitar a rejeição do órgão novo. Acredita-se que a physalis seja igualmente útil após a FIV para que o corpo da mulher não reconheça o embrião como ameaça e trabalhe para expulsa-lo. A principal função da fruta é regular o sistema imunológico da futura mamãe. Assim a physalis pode aumentar as chances de sucesso da FIV, evitando que o organismo materno ataque o embrião e impeça o desenvolvimento da gravidez.


Hidratação é uma das chaves do sucesso de uma FIV


Mantenha o corpo sempre hidratado, seja através de isotônicos, sucos naturais ou através do bom e velho copo de água. Redobre os cuidados com a hidratação e consumo de proteínas. Quando bem hidratado, o útero vasculariza de forma mais eficiente, recebe melhor a progesterona e espessa adequadamente o útero. O Endométrio espessado corretamente tem maiores chances de implantar e sustentar o embrião. Uma implantação de sucesso é a chave  e aumentar as chances de sucesso da FIV.

Evite o excesso de carboidratos e de preferência não ingira cafeína. Caso seja inevitável, não ultrapasse duas xícaras dia.
Veja também: Como ajudar na implantação do embrião- Truque do abacaxi
Veja também: Beber água aumenta a fertilidade


Pé no chão e esperança no coração !
Tatiana da Costa 

Compartilhar:

terça-feira, março 29, 2016

Consumo de cafeína aumenta em 25% as chaces de aborto espontâneo



A revista americana "Fertility and Sterility", divulgou na última quinta (24/03/2016) um estudo que diz que mulheres que costumam tomar mais de duas xícaras de cafeína por dia nas primeiras semanas de gestação correm maior risco de aborto espontâneo.  

A pesquisa  que foi realizada pelo Instituto Nacional de Saúde (NIH) e pela Universidade Estatal de Ohio, que se baseou numa pesquisa de fertilidade do longitudinal e o do meio ambiente. Além de determinar a contribuição do café para o aborto, descobriu-se também  que as taxas de aborto espontâneo são menores em mulheres que tomam regularmente suas vitaminas do pré natal desde  antes da ocorrência de gravidez.

Vitaminas pré natais ajudam a engravidar e evitam aborto 


O estudo feito com  501 casais do Texas e Michigane  entre 2005 e 2009, observou o estilo de vida e a exposição desses casais a produtos químicos, cigarro, bebidas com cafeína e o uso de polivitamínicos desde as  tentativas para engravidar. 

Destes, 344 casos de mulheres grávidas foram registrados e 28% dessas gestações foram interrompidas ainda nas primeiras semanas.

Os hábitos paternos também são importantes para a saúde do embrião


O estudo ainda reforça a importância do cuidado com a saúde do homem que também deve evitar se expor a hábitos que tragam riscos a fertilidade.

Os especialistas afirmam que os índices de aborto espontâneo estão associado ao consumo de cafeína não só pela mãe, mas também pelo pai.

É importante que hábitos saudáveis sejam adotados desde o momento que a concepção passe a ser  um desejo do casal. Os hábitos paternos não influenciam apenas na qualidade e quantidade dos espermatozoides como também na saúde do embrião que será gerado.

Pé no chão e esperança no coração !
Tatiana da Costa 

Compartilhar:

segunda-feira, março 28, 2016

Aborto Recorrente: Descoberta a causa misteriosa para abortos recorrentes


Um aborto é sempre motivo de dor e tristeza e infelizmente uma realidade entre 10% a 25% das primeiras gestações. A maior probabilidade é que o aborto seja  causado por uma seleção natural do organismo ou por falha na implantação. Porém para algumas mulheres, essa é uma realidade que se repete e na maior parte dos casos são causados por má formações no útero, congênitas ou adquiridas com doenças como miomas e inflamações, ou processos trombofílicos, em que a mulher desenvolve pequenos coágulos que acabam por obstruir os vasos sanguíneos responsáveis por manter o feto. Mais raramente também acontece da mulher desenvolver uma resposta imune que faz com que seu corpo ataque o embrião e o expulse. 


Quando nenhum desses fatores é a causa para os abortos de repetição, o caso se enquadra no diagnóstico de ESCA (esterilidade sem causa aparente), mas estudos recentes  encontraram novas respostas e já se sabe o real motivo para abortos recorrentes, antes sem explicação.

Pesquisas apontam a real causa para abortos recorrentes antes sem explicação


Pesquisadores da Universidade de Warwick, no Reino Unido, descobriram recentemente, a possível causa para a ocorrência do aborto de repetição ou aborto recorrente como algumas pessoas chamam. As estatísticas mostram que uma a cada cem mulheres passam por esse drama que traz consequências psicológicas importantes. 

Segundo o estudo publicado pelo "Stem Cells", periódico científico, a razão para perdas gestacionais repetidas seria um queda no número de células-tronco do endométrio (tecido que reveste o interior uterino). Devido a isso o endométrio não apresenta condições adequadas de sustentar a placenta e sofre  um processo de envelhecimento precoce, o que dificulta cada vez mais uma gravidez bem sucedida após cada aborto sofrido.

Jan Brosens, professor de obstetrícia e ginecologia da universidade britânica e líder da investigação, conta que o útero das pacientes de abortos recorrentes já era defeituoso antes da gravidez. Os estudos agora estão focados na correção desses defeitos para que o haja chance de sucesso numa próxima tentativa de gestação. Jan ainda diz que essa talvez seja a única forma de evitar efetivamente os abortos espontâneos em mulheres que apresentem essa dificuldade.

Envelhecimento precoce das células do endométrio aumentam as chances de aborto


O estudo analisou o revestimento do útero de 183 mulheres em tratamento para reprodução humana. 
Evidenciaram  em mulheres que sofreram abortos recorrentes , não só a quantidade reduzida de células tronco como  também atestaram que existe uma falha química para ativação e desativação de determinados genes fundamentais para o sucesso do desenvolvimento do embrião.

Outro ponto marcante da pesquisa, mostra que  esse número reduzido de células tronco no endométrio de mulheres que sofreram abortos recorrentes antes não explicados, causa um envelhecimento precoce  nas células do endométrio. Isso ocorre por que o revestimento interno do útero precisa se renovar  a cada ciclo menstrual, aborto ou nascimento, e para que esse processo seja bem sucedido, ele depende da células troncos residentes no endométrio.

Com isso, ficou claro que as células envelhecidas do útero tendem a ter uma resposta inflamatória mais frequente que pode até facilitar a implantação do embrião mas que na maioria das vezes impede o seu desenvolvimento. Essas células envelhecidas do endométrio não apresentam condições e nem capacidade de se preparem adequadamente para manter a gestação.

O Professor e Ginecologista Paulo Galo disse que "A pesquisa traz uma nova perspectiva para essas mulheres de no futuro criarmos terapias para tratar e cultivar as células-tronco da cavidade uterina de forma a reduzir esse risco de aborto espontâneo."


Hábitos e fatores ambientais podem ter relação direta com a diminuição das células tronco do endométrio


Já para o Ginecologista Renato de Oliveira, alguns hábitos e fatores ambientais possam estar diretamente ligados ao problema.  Ele lembra ainda que já existe um exame específico para avaliar a receptividade do útero ao  embrião de acordo com a expressão dos genes nas células do tecido que revestem o endométrio, ao qual agora também deverá se somar análise da quantidade e qualidade das células-tronco nele presentes.

" Talvez essas células-tronco tenham uma modulação genética que influencie nesta receptividade — considera. — Sabemos sobre o fenômeno, mas não conhecemos bem suas causas, e assim as células-tronco entrariam como uma promissora linha de pesquisa para esclarecer esta questão e inimizar o risco destes abortos repetidos." pondera Renato.

Só nos resta torcer para que as pesquisas avancem rapidamente e a solução para essa descoberta tão importante venha proporcionar uma gestação viável e saudável para as mulheres que sofrem dessa dificuldade.

Pé no chão e esperança no coração !
Tatiana da Costa 



Compartilhar:

domingo, março 27, 2016

Conheça o aplicativo que ajuda a engravidar e pode substituir pílula anticoncepcional

Os melhores aplicativos de fertilidade disponíveis hoje defendem que se a mulher observar com cuidado os sinais fisiológicos do seu corpo, é possível determinar apenas por esse método, se ela está no seu período fértil e assim utilizar o aplicativo não só para saber o melhor período para concepção, como também utilizar essas informações como método contraceptivo, dispensando então  o uso dos perigosos anticoncepcionais. Mas um aplicativo em especial promete ir além e revolucionar o mundo das tentantes e  trazer praticamente a mesma eficiência da pílula anticoncepcional para mulheres que não desejam engravidar ainda.


Como sabemos  a gravidez só é possível se as relações forem mantidas nos dias ao redor e no  dia da ovulação. São aproximadamente 6 dias de relações sexuais desprotegidas que possibilitam a oportunidade ou o risco, dependendo do ponto de vista, de engravidar. 
Se praticado de forma correta, o método de controle de fertilidade, também conhecido como FAM (sigla em inglês) pode ser tão ou mais eficiente que as pílulas anticoncepcionais. 

Cientistas alemães publicaram em 2007 um estudo realizado com 900 mulheres que ao longo de alguns anos foram adeptas do método de controle de fertilidade. De acordo com esse acompanhamento foi possível atestar  que em condições perfeitas e correto uso do FAM, apenas 0,6% das mulheres engravidaram contra sua vontade no período de um ano.

Baseados nesse estudo, testes foram desenvolvidos para levar esse método milenar até os Smartphones das mulheres modernas. Nasceu então o aplicativo Kindara que espera apresentar e fidelizar esse método para suas usuárias.

A forma de utilizar é muito simples. Adquirindo o termômetro Wink, que foi obviamente produzido pelos mesmos desenvolvedores do app, o dowload do aplicativo que é gratuito deve ser executado. O termômetro Wink transmite as temperaturas registradas para o aplicativo que combinadas com outras informações fornecidas pela usuária, permite que o Kindara informe com precisão quando período mais fértil do ciclo se inicia e quando termina.

Will Sacks, o criador do termômetro e do aplicativo, se mostra entusiasmado e bastante otimista com sua criação e garante que a tecnologia vai transformar os cuidados com a saúde. Ele ainda diz que  “No futuro, o relacionamento será com uma marca. Nós teremos dispositivos sensores que vão cruzar informações sobre o nosso sangue, nosso tecido intersticial, nossos genes e saliva, e vão nos devolver as informações processadas. Análises serão feitas pelos nossos telefones.”

O termômetro Wink já está sendo comercializado e pode ser adquirido por $99 (dólares) 



Pé no chão e esperança no coração !
Tatiana da Costa 

Compartilhar:

Amigas à Flor da Pele