segunda-feira, fevereiro 09, 2015

Canulação tubária para desobstrução das trompas

obstrução das trompas
A menos invasiva do que a cirurgia de Falópio , canulação tubária é um procedimento destinado a eliminar uma obstrução nas trompas de Falópio, o que é uma das mais comuns causas de infertilidade feminina (uma em cada quatro mulheres que têm dificuldade em alcançar a gravidez é diagnosticada com um bloqueio nas trompas de falópio)

O que é a canulação tubária?

O procedimento é feito a partir de um cateter que é introduzido nas trompas através do colo uterino. Isso pode ser feito com ou sem anestesia, ou sob o efeito de um sedativo suave, que mantem a paciente mais relaxada. Não há necessidade de internação e a alta acontece no mesmo dia.

Quando a canulação tubária é indicada

Se a histerossalpingografia (exame que analisa a condição tubária) mostrar  um bloqueio em uma ou ambas as trompas de falópio, que seja próximo do útero, a canulaçã pode render bons resultados. Quanto mais próxima ao útero se apresentar a obstrução(obstrução tubária proximal), maiores as chances de sucesso do procedimento. Normalmente, o procedimento de canulação é recomendado por especialistas em fertilidade antes de uma tentativa de fertilização in vitro.

Quando não é recomendável?

Nem todos os casos de obstrução tubária tem como indicação de tratamento a canulação tubária. Estes candidatos incluem pacientes com tuberculose genital ou outras infecções específicas. Mulheres que anteriormente se submeteram a cirurgia das trompas de Falópio, não são boas candidatas para a canulação tubária. Casos em que existam muitas cicatrizes ou obstrução severa das trompas, também não tem indicação para esse procedimento devido a dificuldade de passagem do cateter.

O que diminui as chances de sucesso?

A canulação tubária tem menor probabilidade de sucesso, se a paciente tem um bloqueio demasiado longe do útero ou na parte mais estreita do tubo falópico, uma condição inflamatória das trompas de falópio, ou grave cicatriz.

Quais são os riscos?


Os riscos incluem falha ao restaurar a função de trompa de Falópio, perfuração da parede da trompa de Falópio, ou uma infecção dos tecidos circundantes.

 As taxas de gravidez dependem da localização do bloqueio, a causa do bloqueio e do procedimento específico realizado. Mas vale lembrar que as trompas não são as únicas responsáveis pelo sucesso dos treinos, engravidar envolve muitas outras questões que devem ser avaliadas e se necessário, tratadas.


Compartilhar:

0 comentários:

Postar um comentário