segunda-feira, maio 19, 2014

Prolactina alta - Seus efeitos, causas e tratamento

A alta produção do hormônio Prolactina ou Hiperprolactinemia pode impedir a ovulação e promover infertilidade temporária em homens e mulheres. A principal suspeita do problema vem da presença de leite em mulheres não grávidas ou lactantes, ausência de menstruação e infertilidade. O problema também pode afetar a fertilidade dos homens, pois atrapalha a produção de testosterona, principal hormônio masculino, diminuindo quantidade e motilidade dos espermatozoides.







Causas da alta prolactina

-Gravidez e amamentação

-Estresse, distúrbios do sono, excesso de exercícios. 
O hormônio Prolactina sofre alterações ao longo do dia, sendo mais elevado durante o sono e em condição de estresse ou a após exercícios físicos.

-Uso de alguns medicamentos
A administração de alguns medicamentos pode ser responsável pelo aumento da prolactina, os mais comuns são os antipsicóticos, os antieméticos, os antidepressivos, a ranitidina e a cimetidina, os opiáceos, os anti-hipertensivos, os estrógenos (o que inclui alguns anticoncepcionais), e até algumas drogas.

-Doenças Sistêmicas, que são doenças que afetam o corpo de forma generalizada. 
Nesse caso os  níveis de prolactina costumam estar abaixo de 100 ng/ml.

-Hipotiroidismo: O próprio tratamento adequado do hipotiroidismo normaliza a prolactina.


-Síndrome dos ovários policísticos: Pode ocasionar um pequeno aumento da prolactina que cede com o tratamento da síndrome.


-Insuficiência Adrenal Primária, que é basicamente uma síndrome endócrina onde alguns hormônios  como corticoides, aldosterona e andrógenos, não são liberados de forma suficiente.

O problema é contornado com terapia de reposição de glicocorticoides


-Outras: falência renal; cirrose; lesões irritativas da parece torácica como as causadas por herpes zóster, toracotomia, mastectomia e queimaduras; epilepsia e lesões do cordão medular.



-Tumor na hipófise


Sintomas de prolactina alta



Presença de leite, a chamada galactorreia : Nem todos os pacientes com hiperprolactinemia(prolactina alta) apresentam galactorreia (especialmente os homens) e a quantidade de leite também não define o problema.


Diminuição do trabalho dos ovários e testículos (hipogonadismo)

Nas mulheres pode ser percebida por : fase lútea  curta, anovulação (ausência de ovulação), infertilidade, oligomenorreia, amenorreia, diminuição da libido, menor lubrificação vaginal, seborreia, crescimento excessivo de pelos, dores durante o ato sexual e abortos espontâneos recorrentes.


Nos homens pode causar disfunção erétil, diminuição da libido e infertilidade (diminuição do volume ejaculado). Pode também provocar desenvolvimento excessivo das mamas , redução no crescimento de pelos, hipotrofia muscular e aumento da gordura abdominal.
Uma das principais conseqüências do hipogonadismo é a diminuição da massa óssea levando a osteopenia e osteoporose.
O problema normalmente é corrigido com os níveis de prolactina normalizados.

manifestações psicológicas: ansiedade, depressão, fadiga, instabilidade emocional e irritabilidade.

Outros sintomas

dores de cabeça, alterações visuais, outros distúrbios hormonais

Tratamento para Hiperprolactinemia



O tratamento mais comum é através do uso de medicamentos, como a cabergolina (Dostinex) e a bromocriptina (Parlodel). 
Existe uma variação de valores entre os medicamentos, sendo o Parlodel mais barato porém apresentando alguns efeitos colaterais que não são praticamente sentidos com o uso do Dostinex que é significativamente mais caro.

Em casos em que o aumento da prolactina é causando por tumor na hipófise, pode ser necessário cirurgia e radioterapia.



Compartilhar: