segunda-feira, janeiro 13, 2014

Inseminação Artificial Caseira

O artigo de hoje é sobre algo que você talvez nunca tenha ouvido falar, mas que acontece com bastante frequência. Recebi alguns relatos de situações semelhantes, e busquei informação a respeito para poder dividir com vocês aqui no blog.

O que é a Inseminação Artificial caseira

Digamos que seja um tipo de inseminação alternativa, que consiste basicamente em inserir o esperma manualmente o mais próximo possível do colo do útero, na esperança de driblar o ambiente vaginal inóspito.


Quem normalmente utiliza esse método

Você deve estar se perguntando por que raios alguém faria algo assim, e a explicação é simples. Algumas pessoas acreditam que procedendo dessa forma, conseguirão que os espermatozoides sejam lançados diretamente no colo do útero sem que tenham contato com a acidez da vagina. Quem adere a essa prática são normalmente  mulheres com pouco ou nenhum muco cervical, que tenham indicação para o uso de indutores de ovulação,  homens que tenham baixa quantidade e motilidade dos espermatozoides, mas que não disponham de condições financeiras para realizar o procedimento numa clínica de reprodução.

Infelizmente não encontrei nenhuma estatística que indique índice de falha ou sucesso no procedimento, mas existem muitos fóruns e salas de bate papo sobre o assunto, com muitos relatos de sucesso, principalmente de lésbicas sem nenhum problema de fertilidade.

Como funciona

É muito simples. O homem ejacula em um copo esterilizado, (copos de coleta para exames, facilmente adquiridos em farmácia) imediatamente após, o esperma é coletado através de uma seringa (sem agulha) ou de uma bisnaga para ducha vaginal, e injeta-se o esperma o mais próximo possível do colo do útero. Obviamente a mulher tem que estar no seu período fértil para que a fecundação seja possível. 

Há muita preocupação sobre a segurança desse procedimento. Algumas pessoas argumentam que não é seguro pelo fato do esperma ser exposto e manuseado em ambiente inadequado. Outros argumentam que a inseminação feita em casa é tão segura e bem sucedida quanto à de uma clínica de fertilidade. A verdade é que pode haver uma chance de infecção se os utensílios usados ​​para inseminação caseira não estiverem limpos e esterilizados de forma adequada.
Casais gays, normalmente lésbicas e sem problemas de fertilidade, também recorrem a inseminação artificial caseira para ter o seu sonho de maternidade realizado.

Questão de ponto de vista

Existem alguns pontos que são bastante discutíveis nesse tema. Particularmente não concordo que a inseminação caseira se iguale em eficiência a Insemina artificial feita por um médico. Em primeiro lugar, pelo fato dos espermatozoides na clínica de reprodução, serem analisados previamente, e passarem por um processo de purificação.

Em segundo pelo procedimento em si.
Na inseminação caseira, a seringa ou a bisnaga para ducha vaginal, não vai além do pênis, muito pelo contrário, se no momento da ejaculação o homem mantiver a penetração o mais profunda possível, tem condições de alcançar o colo do útero com muito mais facilidade.

Em terceiro, na Inseminação Artificial realizada nas clínicas de reprodução, existe a administração dos medicamentos adequados para favorecer a ovulação e implantação do embrião, bem como a monitorização do ciclo através de ultrassons seriados que indicam o dia correto para  que a inseminação seja feita.

Porém o ponto mais importante é a introdução dos espermatozoides. A inseminação é feita com cateter que segue para dentro da cavidade uterina , e os espermatozoides  são lançados já dentro do útero, bem próximo das trompas. Dessa forma sim o espermatozoide não tem contato com a acidez vaginal e encontra melhores condições de alcançar e fecundar o óvulo.

Há um tempo, recebi o email de uma pessoa, que dizia ter conseguido engravidar através desse procedimento. Ela colhia sem o conhecimento do parceiro, o esperma da camisinha e injetava em si logo após a relação. Nem preciso dizer que isso é totalmente condenável.  O risco de infecção é grande, bem como a rejeição do parceiro que não consentiu com o ato.




A verdade é que se o seu parceiro ou você apresentam problemas de fertilidade, e precisam recorrer a alguma técnica de reprodução assistida, mesmo que seja uma simples Inseminação, o ideal é que uma clínica de reprodução, com profissionais sérios e capacitados, seja procurada.

E pra finalizar venho dizer que claro, os médicos desaconselham essa prática.



Pé no chão e esperança no coração ! 

Compartilhar: