terça-feira, janeiro 28, 2014

Como ajudar na implantação do embrião e evitar perda ovular

Abortos são devastadores e deixam sequelas psicológicas muito intensas. Conquistar o positivo é apenas metade do caminho. Existe um longo caminho a ser percorrido do positivo até o dia parto, e muitas vezes esse caminho é interrompido ainda nas primeiras semanas de gestação. 

Existe uma estatística alarmante a esse respeito. Estima-se que cerca de 50 a 70% das fecundações resultem em perda ovular. É como se cada mulher que tenta engravidar, conseguisse fecundar um óvulo cerca de 4 a 7 vezes no ano, mas que esses óvulos não conseguem progredir se fixando no endométrio e acabam sendo eliminados com a menstruação. A grande maioria dessas perdas se dá por uma divisão celular defeituosa, má formação fetal, problemas e distúrbios hormonais maternos, incompatibilidade sanguínea e estilo de vida. 


Leia esse artigo para saber o que é uma perda ovular ou gravidez química.

Produzindo bons óvulos e espermatozoides 

Bons gâmetas (óvulos e espermatozoides) produzem bons embriões, e esse é o fator principal para o sucesso de uma gestação. Quanto mais saudável e jovem forem os óvulos, maior a chance de concepção, assim como espermatozoides maduros e saudáveis, tem mais possibilidade de fecundar um óvulo . 

Dessa forma é seguro afirmar que uma boa gestação se inicia antes mesmo do ato sexual que resultará em gravidez. Manter uma alimentação adequada, evitar fumar, beber e consumir produtos com cafeína, são medidas que devem ser adotadas por todo casal que deseja engravidar. 

Vitamina C, D, A, B6, B12 e ácido fólico são essenciais para que os óvulos tenham qualidade. Já para os homens, as vitaminas que não podem faltar são a C, E, D, zinco e ácido fólico todos os dias , e arginina 30 minutos antes da relação sexual. 
Essa suplementação vitamínica deve acontecer de 8 a 12 semanas no minimo.  

Como ajudar a implantação do embrião e evitar o aborto ovular

Algumas medidas naturais podem ser tomadas para auxiliar o bom desempenho hormonal, bem como criar o ambiente ideal para uma implantação de sucesso e desenvolvimento saudável do embrião. 

Abacaxi- Consumir 1 fatia de abacaxi com miolo, por 5 dias em jejum no dia seguinte ao dia da ovulação, melhora a vascularização do útero permitindo que a progesterona enviada pelo ovário seja melhor absorvida pelo endométrio, permitindo assim uma boa implantação. 

Folha de framboesa vermelha- 1 cápsula ou xícara de chá todos os dias após a ovulação, ajuda a tonificar o útero e contribui para um espessamento endometrial adequado. 

Gelatina- o colágeno encontrado na gelatina tem o poder de fortalecer o endométrio. Pode ser consumida principalmente nos 12 primeiros dias pós ovulação. 

Água de Coco- Contribui para implantação por repor os sais minerais que contem alta concentração de moléculas semelhantes aos fluidos naturais de nosso corpo, além de manter o corpo adequadamente hidratado. 

Juá ou Physalis- Fruta saborosa cujo seu poder vem sendo estudado por cientistas do mundo inteiro. Os elementos naturais dessa fruta exótica tem se mostrado eficientes contra a rejeição de órgãos transplantados . A mesma ideia vem sendo absorvida por tentantes que que recorrem a técnicas de reprodução. A intenção é fazer com o que o corpo da mulher não interprete o embrião como um invasor, e dessa forma não crie anticorpos afim de combater e eliminar a vida recém criada. Acredita-se que 3 frutos por dia após a ovulação, seja a quantidade ideal para contribuir para a implantação do embrião. 

Pó de Kelp- Kelp é uma alga marinha rica em cálcio e vitaminas b. É usada a muitos anos na prevenção de abortos de primeiro trimestre. Consumir uma colher de sobremesa diariamente após a ovulação por 12 dias é o ideal para ajudar na implantação e progressão da gestação. Não se deve consumir mais que uma colher de sobremesa por dia, já que as algas são ricas em iodo, e o excesso desse elemento no organismo pode trazer danos a saúde. 

Consultar um médico é sempre uma ideia prudente, já que algumas doenças genéticas, imunológicas e até mesmo distúrbios hormonais podem ser a causa de abortos ovulares e espontâneos de primeiro trimestre. 
Prevenção é sempre a melhor forma de evitar dor e sofrimento. 

Engravidar requer planejamento e a informação é a arma mais poderosa que você tem a seu favor nessa batalha. 


 Pé no chão e esperança no coração !

Compartilhar: