terça-feira, setembro 20, 2016

Aborto Espontâneo: Risco de acordo com a idade


Estima-se que 15% das gestações confirmadas resultem em aborto espontâneo ainda nas primeiras semanas de gestação. 


Aborto é  a expulsão do feto antes que ele seja capaz de sobreviver fora do útero. Infelizmente um número elevado de mulheres experimentam pelo menos um aborto durante a sua vida. As causas podem ser diversas, mas estudos apontam que 60% dos abortos acontecidos até a 8ª semana de gestação, sejam causados por alterações genéticas.

Fatores de risco


Em cerca de 30 a 40% dos abortos, não é possível identificar a causa . No entanto, existem alguns fatores que aumentam o risco de aborto. Mulheres que estão acima de 35 anos tem maiores chances de sofrer um aborto. Embora não existam estudos que apontem com exatidão fatores masculinos como a causa de abortos, é possível observar um aumento desses episódios com mulheres cujo o parceiro tem mais idade.

Se você já sofreu mais de um aborto, tem grandes chances de acabar passando por isso mais vezes. Algumas condições médicas aumentam consideravelmente as chances de aborto, e algumas mulheres não fazem ideia que as possuem. Um bom exemplo são mulheres com diabetes, problemas cervicais, trombofilia, lúpus entre outros.

Mulheres que fazem uso de fumo, drogas e álcool estão mais propensas a sofrer com um ou mais abortos. Cuidar de si e de sua saúde é fator determinante para a saúde e sucesso gestacional.

Riscos por idade


Quanto mais idade maior o risco de aborto espontâneo.Aqui mostramos o risco de aborto em porcentagem para cada faixa etária.
  • Até 30 anos - risco de 8% aproximadamente
  • Entre 30 e 35 - 12% de risco
  • Idade 35 - risco de 20%
  • Idade 40 - risco de 40%
  • Idade 45 - risco de 80%
O risco de aborto espontâneo cai consideravelmente se a gravidez acontecer com óvulos doados. Para engravidar com um óvulo doado é preciso que você encontre uma clínica de reprodução e se submeta a fertilização in vitro. A clínica faz a intermediação entre doadora e receptora sem que as duas jamais se conheçam. 

O óvulo é fertilizado em laboratório e o embrião é então colocado em seu útero para que ele se implante no revestimento uterino e uma gravidez se inicie. No entanto, se a causa para os abortos anteriores for justamente seu revestimento uterino (endométrio), um novo aborto espontâneo pode acontecer. Por isso é muito importante que exames sejam realizados afim de encontrar a real causa para dos abortos.

Em muitos casos nada pode ser feito para que o aborto espontâneo seja evitado, no entanto existem muitas condições diagnosticáveis que podem ser tratadas. A prevenção ainda é o melhor tratamento para o aborto espontâneo.

Pé no chão e esperança no coração !
Tatiana da Costa 

Compartilhar:

0 comentários:

Postar um comentário