segunda-feira, julho 04, 2016

Doação de Óvulos: Solução para impedir que o organismo rejeite óvulos doados

solução para que o organismo não rejeite óvulos doados


SOLUÇÃO PARA QUANDO O SISTEMA IMUNOLÓGICO DA MULHER IMPEDE A GRAVIDEZ COM ÓVULOS DOADOS REDUZ TAXA DE ABORTO EM 85%

  • Estudo realizado pelo IVI e selecionado para o Congresso Europeu de Reprodução Humana obtém como resultado a redução da taxa de aborto de 94% para 8%
  • Para estas pacientes, transferir mais de um embrião no tratamento de reprodução humana, influencia negativamente o prognóstico reprodutivo
HELSINKI, 4 DE JULIO DE 2016

O estudo realizado pelo IVI (Instituto Valenciano de Infertilidade) apresentado hoje no Congresso Europeu de Reprodução Humana demonstra como uma adequada seleção de doadora de óvulos em função de sua compatibilidade genética com o útero da receptora permite reduzir a taxa de aborto e falhas de implantação nos tratamentos de ovodoação em mais de 85%, quando o sistema imunológico da futura mãe está rejeitando o embrião. Esta base científica pode aumentar a taxa de gravidez e reduzir problemas das pacientes relacionados com a hipertensão ou a pré-eclâmpsia.

“Comprovamos com a investigação que ao selecionar uma doadora compatível com o útero da futura mãe, é possível chegar a uma taxa de gravidez de 86%; um resultado incrível quando comparado à taxa de 31% obtida quando esta informação não era considerada. Com relação aos casos de abortamento, reduzimos de 94% para 8% selecionando geneticamente a doadora pela compatibilidade com o útero das pacientes que participaram do estudo”, explica Dra. Diana Alecsandru, imunologista da clínica de reprodução humana IVI Madri e autora do estudo titulado “Maternal Killer-cell Immunoglobulin-like Receptor (KIR) and fetal HLA-C compatibility in ART- oocyte donor influences live birth rate” junto com Dr. Juan Antonio García Velasco, diretor do IVI Madri.

Por que o útero de certas pacientes rejeita o embrião?


No útero existem células que possuem receptores que são denominados KIR, estes receptores ajudam a reconhecer e implantar o embrião. “A parte materna do embrião (referente ao óvulo) é reconhecida automaticamente por conter informação genética da própria pessoa, enquanto a paterna não, razão pela qual certas pacientes têm dificuldades de obter a gestação, dependendo do seu perfil genético uterino. Os receptores KIR devem encaixar perfeitamentecom a parte paterna e com a materna, quando o óvulo é doado, para não ser interpretado como um elemento estranho”, explica Dra. Genevieve Coelho, especialista em fertilidade e diretora da clínica IVI Salvador, do mesmo grupo de medicina reprodutiva que realizou o estudo.

A pesquisa foi realizada entre janeiro e dezembro de 2015, com uma amostra de 30 mulheres – com repetidas falhas reprodutivas por razão desconhecida – que foram submetidas a um total de 112 ciclos de reprodução humana assistida com óvulos doados. Ao analisar os dados obtidos, foi comprovado que quando ocorria uma incompatibilidade entre a mãe e a parte paterna do embrião, ao escolher uma doadora compatível com a mãe e optar pela transferência de um único embrião (SET - Single Embryo Transfer), a taxa de recém-nascidos vivos por ciclo passou de 0% a 82% na amostra estudada.

Em casos de pacientes com alterações imunológicas, como as participantes do estudo, a transferência de dois ou mais embriões ao útero influência de forma negativa o sucesso reprodutivo. Se além disso, agregamos o uso de óvulos doados, os fragmentos estranhos que o útero precisa assimilar são ainda maiores, aumentando o risco de rejeição do embrião.

O estudo realizado abre uma nova linha de investigação para trabalhos com uma maior amostra, como o que está sendo aplicado atualmente pelo próprio IVI, onde participam 200 pacientes e cujo resultados podem aportar melhorias para a seleção de doadores de sêmen e óvulos através de um processo mais eficiente, seguro e com melhores resultados.

Sobre o IVI 
Com sede em Valência, na Espanha, o Instituto Valenciano de Infertilidade (IVI) iniciou suas atividades em 1990. Possui mais de 50 clínicas em 11 países, incluindo Brasil, e é líder em medicina reprodutiva. O grupo conta com uma Fundação, um programa de Docência e Carreira Universitária.

Compartilhar:

0 comentários:

Postar um comentário