sexta-feira, junho 26, 2015

Vida de Tentante - A verdade por trás do aconteceu de repente


Lívia é tentante e faz um relato extremamente verdadeiro e real da vida de uma mulher que "de repente" resolveu que é a hora de aumentar a família

Tenho 28 anos, moro no interior de São Paulo e conheci o blog há alguns meses. Estou lendo diariamente, aprendendo, rindo, chorando e me identificando com as dúvidas e sentimentos de tantas mulheres que, assim como eu, sempre sonharam com a maternidade.



Sou casada há 9 anos, e no meu coração, sempre senti que seria mãe cedo. Mas com o tempo a gente percebe o tanto de responsabilidades que a vida nos impõe, e que quando traçamos um planejamento para nossos objetivos e sonhos podemos conquistá-los com mais segurança e tranquilidade. Assim, desde o início do meu casamento tenho buscado me estruturar emocionalmente e financeiramente para a maternidade, conciliando meus sonhos e planos com os do meu marido, e nesse clima de companheirismo e compreensão nosso relacionamento sempre foi muito pacífico e feliz.



Em 2012 comecei a sentir que estava chegando a hora de aumentar a família, mas naquele momento ele não compartilhava do mesmo sentimento, estava passando por uma situação muito complicada no trabalho, vivia estressado, não consegui se imaginar pai naquela circunstância, me pediu tempo. Essa primeira reação me surpreendeu, afinal, após tanto tempo juntos, sempre falando que teríamos filhos, essa recusa talvez significasse que ele estivesse mudando e ideia. Doeu. Mas a decisão pertence aos dois... tive paciência, compreendi, esperei.
Em 2014 comecei a perceber mudanças no comportamento dele. Mudou de emprego, estava mais calmo, começou a observar os bebês na rua de forma carinhosa, a fazer comentários, a imaginar como seriam nossos filhos... estava dividindo comigo esse sonho! Mas imprevistos financeiros surgiram, fiquei desempregada, as contas acumularam e mais uma vez tivemos que esperar, adiamos nosso planejamento pra 2015. 


Não queria ficar excessivamente ansiosa com quando aconteceria a tão sonhada gravidez, e resolvi parar o anticoncepcional e usar preservativo antes de começar efetivamente as tentativas. Sempre tive a menstruação irregular e sabia que iria atrasar, que meu corpo levaria um tempo para se adaptar sem o remédio, procurei não ficar fazendo contas nem pensar fixamente nisso, para que as coisas acontecessem naturalmente. Comecei a ler os relatos das tentantes, e nesse momento entendi por quê é tão difícil manter a calma. São tantas as dúvidas! E então, quando passam os meses sem o anticoncepcional, a menstruação não vem de jeito nenhum, você começa a achar tudo muito estranho, parece ter algo errado, resolve pesquisar e pronto: virou oficialmente uma tentante, com toda a ansiedade, os sonhos e as neuras que isso traz!



Parece que todas as mães que eu conheci na vida engravidaram por acaso, sem planejar, por acidente, não estavam tentando... O que me fazia pensar que uma gestação planejada, cercada de cuidados e preparativos, deveria ser muito simples. Por que será que ninguém avisa que o tempo médio para engravidar é de 1 ano? Para quem está há tanto tempo planejando e esperando o tal momento ideal, MAIS 1 ano é muita coisa! Seria tão mais simples se naquela visita rotineira à ginecologista ela perguntasse como andam os planos e avisasse que não é só parar o remédio que no dia seguinte o corpo volta ao normal... 

Mas só descobrimos esses detalhes depois... e aí, "não devemos ficar ansiosas". Como assim?! Como manter a calma se a menstruação desaparece e no seu lugar surge a sensação de estar presa há meses em uma TPM sem fim? Inchaço, dor de cabeça, dor nas pernas, sensibilidade nos seios, acne, irritabilidade... e nada de menstruar! Como não suspeitar que pode estar grávida? E então vem o primeiro negativo da sua vida e aquele pensamento de "só pode ter alguma coisa errada comigo". Como suspeitar que uma cólica absurda (que me fez correr pro hospital achando que fosse cálculo renal ou apendicite) era na verdade dor de ovulação? Que coisa horrível... foi tão forte que cheguei a sentir náuseas... nem imaginava que essa dor existia. São tantas as mudanças!

Fora essa batalha com o próprio corpo, pedindo gentilmente (ou até desesperadamente) que ele funcione direitinho, ainda precisamos lidar com a ansiedade que vem de fora, da família, dos amigos... aquela pergunta que tenho ouvido há tantos anos e que agora começou a doer: "Ainda não tem filhos? Por que não? É tão bom!". Antes a resposta era clara "ainda não está nossos nossos planos"... mas agora, cada vez que me perguntam isso, soa quase como um diagnóstico de infertilidade. Como se fosse simples assim, bastar querer um filho para no dia seguinte engravidar. Então entendi por que os casais não comentam quando decidem aumentar a família, e por que sempre parece que a gravidez aconteceu "de repente". Talvez esse "de repente" seja resultado de uma busca que começou há muito tempo, e que precisava ser preservada para evitar cobranças descabidas e perguntas indelicadas. 

Também entendi que além de lidar com essa cobrança externa, é muito difícil acalmar a exigência que cultivamos para com nós mesmas.Quando a ansiedade fica insuportável acabamos sentindo necessidade de falar, de compartilhar o que estamos passando, de dividir o peso com alguém. E nessa hora, na maioria das vezes o que recebemos de volta é incompreensão, irritação, palavras duras ou aqueles olhares mudos mas que na verdade querem dizer "você é louca, não precisa de tanta ansiedade!". Por mais que a intenção de ouvir seja boa, só vai te entender quem estiver passando pela mesma situação. Por isso um espaço como o Mãe à Flor da Pele faz tanta diferença na nossa vida! Como é bom ter um cantinho para se expressar sem ser julgada! Como é bom poder esclarecer dúvidas e saber que aquele acontecimento novo que te deixou apavorada é normal, acontece com outras mulheres também. Queria agradecer todo apoio que recebi, vocês não imaginam o quanto têm me ajudado a compreender essa jornada emocionante que é a busca pela maternidade. Estou ainda nos primeiros passos, procurei orientação médica, fiz todos os exames (felizmente está tudo em ordem), comecei a tomar o ácido fólico, estou mantendo uma rotina saudável e agora podemos finalmente começar as tentativas. Quando a gestação acontecer, espero poder compartilhar minhas experiências e receber mais dicas importantes. Obrigada por tudo, Mãe à Flor da Pele!

L.M

Compartilhar:

14 comentários:

  1. Ana: Nossa , só de ler o texto já fiquei aliviada , pensava que só eu era assim ... Rsrs adorei o blog , e estamos juntas nessa ...

    ResponderExcluir
  2. mandei um comentario antes, vcs podem apagar? nao quero que ninguem veja o meu nome. obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o seu texto.
      Também pensava que eu era a única a pensar assim. #estamostodasjuntas

      Excluir
  3. Incrível como me identifiquei... e saber q não somos as únicas, somos muuuuitas... isso me consola e ao mesmo tempo me enche de esperança... pq em meio a tanta anciedade e tantas perguntas, também vemos tantas histórias de sucesso, tenho certeza q logo mais nossa hora chegará tb...

    ResponderExcluir
  4. Me identifiquei muito! Boa sorte pra gente!

    ResponderExcluir
  5. Eu já estou na fase de sentir raiva. Raiva de tudo, das minhas amigas grávidas, das grávidas na rua, da gineco, de tudo e todos. Cansada de ouvir que meu problema é a ansiedade. Como não sentir ansiedade tentando por 2 anos fazer algo que nos fomos programados para fazer? O problema é o estresse. Então como as altas executivas estressadossimas conseguem engravidar??? O problema é o meu mini pneuzinho na barriga. Como mulheres obesas engravidam??? O problema é a sua alimentação. Como frango com legumes, sucos detox e não bebo refrigerante. Mas a viciada em crack que não come a 3 dias que mostraram na televisão está grávida. Dizem que eu sou nova, que não preciso me preocupar. Tenho 29 anos e já tenho dificuldade pra engravidar sem ter nenhum problema diagnosticado (já fiz todos os exames possiveis), imagina se eu deixar o tempo passar? Mais fácil é que não vai ficar. E as pessoas que falam que tudo tem seu tempo???? É fácil dizer isso depois que engravida. "Esperei 7 anos pelo meu bebê, e de repente fiquei grávida. Tudo tem seu tempo". Depois que meu útero tiver um feto vou infernizar a vida das tentantes falando esse tipo de coisa com a maior cara de feliz do mundo... pq é assim que acontece.... As pessoas esperançosas geralmente são religiosas e tem a quem culpar. Eu culpo todos, tudo, eu, deus, todo o universo. Descobri esse blog a pouco tempo e apesar de ser interessante ver que outras pessoas tb tem dificuldade, o que me faz me sentir menos ET, eu vejo sempre pessoas ultra esperançosas por aqui. Fé em Deus, nos vamos conseguir, Tamos juntas, blablabla... eu era assim no meu primeiro ano de tentante. Talvez a vida de tentante seja igual os 5 passos da perda: primeiro a negação, depois a revolta, depois sei lá mais o que é por fim a aceitação. Se for isso mesmo, estou no segundo estágio. Não sei se me aguento até o próximo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e se n aguentares vais fazer o que? desistir? Tira férias, arranja um hobbie... vai a lugares lindos com o teu companheiro... +E bem verdade o que disseste em cima, mas e entao? nao somos todas iguais... ainda te vais rir disto ;) esperança, fé, etc seja o que quer que lhe chamem... se não existir nada vale mais a pena... Esse desespero não vale a pena, se nao consegues avançar sem pensar nisso, arranja mais o que te ocupe o tempo mas que seja relaxante e bom para ti e para o teu companheiro... os treinos têm de continuar.. e mesmo depois de ter o filho os "treinos" tem de continuar :) por amor vale tudo!!

      Excluir
    2. Estamos juntos nessa, pensei que tinha chegado ao estágio da aceitação, mas quando uma amiga minha engravidou voltou tudo.. te entendo perfeitamente. Dói muito saber que qualquer criatura engravida menos nós. Ainda quando começam a falar: que é a vontade de Deus.. então fico mais revoltada ainda. Engraçado como era a vontade de Deus que umas assassinas tivessem filhos, menos nós. Umas drogadas tivessem filhos, menos nós. Estou sentindo que estou na barreira entre desistir de tudo e ter depressão. Espero que em breve esse cenário mude para nós.

      Excluir
  6. Nossa, texto lindo, emocionante. Parabéns ao Blog!!!

    ResponderExcluir
  7. Nossa o texto é lindo. Esse mês vaonser meu quarto mes de tentativa... tento me.controlar mas as vezes é difícil. E quando a menstruação chega que vontade de chorar e sumir. Rsrsrs

    ResponderExcluir
  8. Alguem ai ja recebeu seu positivo? Queria ver experiência de alguém

    ResponderExcluir
  9. Parece que você leu meus "sentimentos"... Essa fase é muito difícil, mas é bom saber que você não está sozinha nessa. Obrigada por compartilhar sua história.

    ResponderExcluir
  10. Incrível como somos pensamos da mesma forma e sempre achamos que só acontece com agente! É estamos no mesmo "barco" , estou no meu 1° ciclo como tentante... e realmente é uma luta a espera do Positivo!

    ResponderExcluir
  11. bem oque sinto.. pensava que estava neurótica e depressiva..mas não! é a mais pura realidade... tem coisas que não entendo!! e isso entristece muito! dói no fundo da alma!! sou do RS e estou a tentar desde outubro de 2015. mas parei com os anticoncepcionais em setembro de 2014. fiz todos os exames possíveis, e tudo ok. meu esposo tem baixa quantidade de esperma, mas segundo 3 médicos que visitei, é uma quantidade que pode engravidar!! mas cansada desse blablablá, marquei consulta em uma clinica de reprodução humana para janeiro de 2017. por q a paciência ta se esgotando!!!

    ResponderExcluir