quinta-feira, setembro 05, 2013

Os 4 principais problemas causados pelo uso de anticoncepcional injetável

O anticoncepcional injetável é muito eficaz na prevenção da gravidez indesejada, mas será que ele pode contribuir para a infertilidade a longo prazo?

Anticoncepcionais  injetáveis podem ser um método muito eficaz de controle de natalidade. São sem dúvida um método de controle eficaz, visto que as mulheres não têm que se preocupar em tomar todos os dias, evitando os perigosos esquecimentos, e geralmente não tem muitos efeitos colaterais negativos durante sua administração. 

1.Maior acumulo de hormônio no organismo




O injetável  é muito eficaz na prevenção da gravidez indesejada, desde que você receba sua dose no dia correto de reaplicação. 

No entanto, pode o injetável  contribuir para a infertilidade a longo prazo, mesmo depois de parar com as aplicações? O hormônio do injetável permanece no organismo por um longo tempo ?


O hormônio do injetável pode ficar em seu organismo mais do que outros métodos de controle de contracepção. Isto significa que, mesmo depois de sua última aplicação, pode haver dificuldades para engravidar por algum tempo. Enquanto o corpo  não se livra de todo o hormônio  que é deixado  no organismo, as chances de engravidar podem ser frustradas. Embora o acúmulo comece a baixar depois de três meses da última aplicação, os efeitos duradouros podem permanecer em seu corpo até um ano ou mais(algumas mulheres demoram até 2 anos para engravidar). Isso é algo a ser levado em consideração se você tem intenção de engravidar no próximo ano por exemplo.

2.Períodos irregulares

Muitas mulheres não sabem que após a interrupção do injetável, seus  ciclos podem ser tornar muito irregulares. Os ciclos podem ser confusos. Para algumas a menstruação não aparece, para outras o sangramento pode ser ralo ou como borra, e outras podem ainda ter ciclos de fluxo muito intenso, mesmo meses após a última administração do injetável. Isto pode ser muito difícil para as mulheres que estão tentando traçar ou acompanhar seus ciclos de ovulação, a fim de engravidar.

3.O ganho de peso

Muitas mulheres ganham muito peso quando iniciam contracepção com injetável. O ganho de peso posteriormente pode complicar ainda mais sua condição quando decidir engravidar. Ao parar com o injetável, se o sobrepeso ainda for presente, uma dieta balanceada pode fazer uma grande diferença nas chances de conceber.

4.Atrofia do endométrio

Umas das consequências naturais do uso de anticoncepcionais, é a atrofia do endométrio. Como a  intenção é que não haja ovulação e muito menos implantação do embrião, o ciclo obviamente não se desenvolve como um ciclo reprodutivo normal, de forma que o endométrio é pouco estimulado e não atinge grande espessura. Após cessarem os estímulos de contracepção, os ciclos vão se regularizando, e tão logo haja ovulação, o endométrio já começa a se normalizar.
Quando a contracepção é feita por uso de injetável, por consequência de uma maior concentração de hormônio no organismo feminino, a atrofia do endométrio pode ser mais severa, e pode demorar para que o estímulo adequado seja reconhecido e acatado pelo endométrio. Há relatos de mulheres, que mesmo após a retomada da ovulação, tiveram ainda, alguns meses de dificuldade com a espessura endometrial. Sem espessura adequada, não acontece gravidez.

Ajuda médica


Alguns medicamentos podem regularizar mais rápido seus ciclos, e contribuir para que o endométrio seja estimulado corretamente. Para que você faça uso de tais medicamentos, é necessário que uma consulta médica seja feita. Após alguns exames e avaliação clínica, o médico indicará o medicamento mais eficaz para o seu caso em especifico. O remedinho da vizinha, pode não servir para sua necessidade, portanto evite a automedicação.


A cópia ou reprodução deste texto só será permitida se os créditos forem mantidos. Nome do autor e link de redirecionamento ao blog de origem, devem ser inseridos no início ou fim do texto copiado. Plágio é crime !

Compartilhar: