domingo, agosto 11, 2013

Pai - O que ele representa na sua vida?

Pai, 
Há quem simplesmente ame, há quem assim como eu, não tenha muito contato, ou não se identifique muito com ele. Há quem nunca o tenha visto, quem não o quer por perto e quem ache indiferente a existência desse homem. Mas uma coisa é fato, sem eles, nenhuma de nós existiria.

Fala-se muito do amor materno, do quanto a mãe se entrega aos cuidados e ao amor de um filho. Dizem que o homem é sempre mais distante, menos visceral e até menos amoroso. 
A mãe, é mãe desde a concepção, o pai só assume realmente esse laço com o nascimento do filho. Não estou dizendo que o pai não ame ver sua semente crescendo ali, na barriga de sua amada, mas o vínculo, aquele encher os olhos e o coração, para a grande maioria, vem mesmo só depois do nascimento. 

Alguns homens hoje já encaram os cuidados diretos com seus filhos. Colocam a mão na massa sem medo. 
Trocam fraldas, dão banho, medicam e até, pasmem , amamentam. Recentemente vi no facebook a foto de um pai que 'amamentava' seu filho. Houve quem o xingasse até de pervertido, mas ele garante que a experiência fez bem para ambos, pai e filho. Ele afirma que muitas vezes, o bebê não quer se alimentar, mas anseia simplesmente pelo  vínculo e o aconchego que são proporcionados durante a amamentação. Muitas mulheres se sentiram ofendidas, mas esse é um assunto vasto que vai ficar  para um próximo post.

O fato é que cada vez mais  homens assumem os cuidados de seus  filhos de peito aberto, sem medo e sem restrições. Nada mais justo na minha opinião. Os cuidados de um filho não são obrigação única da mãe, o pai deve ter uma participação ativa na vida de seus filhos desde os seus primeiros momentos de vida. Aquela história de o pai trabalha e a mãe cuida da casa e dos filhos, é passado há muito tempo. Em grande parte das famílias brasileiras, a provisão da casa , vem de ambos, e diante disso, porque não dividir todo o resto? 

Hoje é dia dos pais, e confesso que é uma data um tanto complicada para mim . Eu e meu pai nunca nos entendemos muito bem. Nunca aceitei a forma estranha dele demonstrar amor. Me senti sempre abandonada e excluída por ele, e acredito que isso não vá mudar. Hoje talvez ele também sinta as consequências desse "abandono", mas enfim, as coisas nem sempre são perfeitas, e no nosso caso, nossa relação sempre passou muito longe disso. Costumo dizer que quando um de nós se for, o sentimento que vai prevalecer, com certeza será a dor da saudade. Mas não a saudade física do outro, e sim a saudade de tudo que poderia ter sido vivido e não foi. Sou a única filha (mulher) dele, talvez esteja aí a questão, verdadeiramente não sei. 
De qualquer forma amo meu pai e tudo o que ele representa na minha vida, a começar pela minha vida e a vida de meus irmãos. 
Essa relação já me trouxe muita dor, mas me rendeu uma evolução e um amadurecimento muito grande. Posso dizer que muito do que sou hoje, mesmo ele não tendo feito parte da minha criação, devo à ele. A dor me transformou, e me obrigou a desejar ser uma pessoa diferente. O exemplo dele de honestidade, de homem trabalhador, mesmo a distância, causou um efeito verdadeiro em minha vida, e seus erros, trabalharam meu caráter da mesma forma, sei exatamente a imagem que não quero deixar para os meus filhos e netos. Já rastejei atrás das migalhas de seu amor, já o rejeitei, já o amei mais que tudo nesse mundo,  já o odiei, já passei noites chorando por sua ausência, por não compreender a sua falta de amor e cuidado por mim. Já fui até a porta da casa dele e não entrei, já fiquei de longe espiando ele voar, e já  me arrependi e fiz tudo de novo várias vezes.

Contudo existe um outro lado da paternidade na minha vida, meu marido e meu padrasto. 
Meu marido nunca foi muito bom nos cuidados com os pequenos, mas sempre encarou de boa uma saída minha de última hora. Graças a Deus, sempre encontrei todos vivos e saudáveis. 
É o pai mais preocupado e zeloso que já conheci. Meus filhos por exemplo nunca precisaram levar pontos ou foram as pressas para o hospital por causa de uma queda. Longe de mim dizer que essas coisas acontecem por falta de zelo. Criança com saúde não para e os acidentes são inevitáveis, mas aqui em casa faltou espaço para que eles conseguissem se machucar. 

Isso nem sempre é bom, afinal os tombos e as cicatrizes, são as marcas que demonstram o quanto vivemos , e o quanto aproveitamos a vida. Zelo demais não prepara para vida e não permite que a criança cresça. Mas tenta dizer isso pra ele?  
A sorte dos pequenos, é que passam a maior parte do dia comigo, e os ralados no joelho são frequentes.

Meu padrasto é um avô e tanto. Meus filhos o amam profundamente. Ele sempre esteve presente nos meus momentos de aperto. Mesmo mal humorado e carrancudo, sempre me estendeu a mão.
Tem profundo amor e carinho pelos meus filhos, e só por isso , ele já mereceria todo o meu amor e respeito, mas o o amo ainda mais por fazer minha mãe feliz.

É pelo exemplo deles que sinto, não poderia deixar de homenagear esses homens.
Parabéns  à todos os papais que verdadeiramente amam e cuidam de seus filhos, e parabéns aos Pais que fazem parte da minha vida. 
Wilson , Guillermo e Eládio. 



Compartilhar:

3 comentários: